Ministério da Saúde lança edital para enfermeiros e dentistas

O Ministério da Saúde lançou nesta segunda-feira (18) o cronograma do edital de convocação para enfermeiros e dentistas ao Programa de Valorização dos Profissionais na Atenção Básica (Provab), que leva profissionais para atuarem na atenção básica das regiões mais carentes, como no interior e periferias dos grandes centros. Serão abertas 1.590 vagas, sendo mil vagas para enfermeiros e 590 para cirurgiões-dentistas. Todos os participantes receberão bolsa, paga integralmente pelo Ministério da Saúde, no valor de R$ 2.976,26.

“O Provab é mais uma parceria com o Ministério da Educação para integrar ensino e serviço em benefício da população. Com o Programa, conseguimos enfrentar um dos maiores desafios do SUS – ter mais profissionais, bem formados e próximos da população que mais precisa. A chegada de enfermeiros e dentistas, além dos médicos que já aderiram ao programa no início do ano, muda a realidade das pessoas que dependem do SUS”, ressalta o ministro Alexandre Padilha.

O candidato deverá escolher duas opções de municípios para atuar. Só estarão disponíveis para escolha aqueles municípios que tiverem finalizado o processo de adesão entre o período de 16 de dezembro a 13 de janeiro de 2014. Entre os critérios usados para selecionar os candidatos, estão os candidatos que cursaram a graduação preferencialmente no próprio estado onde pretende se candidatar, maior média registrada no histórico escolar, menor tempo de formado, ordem de inscrição no Provab, ou seja, os primeiros inscritos terão prioridade na seleção. Em último lugar, em caso de mais candidatos do que a quantidade vagas disponíveis, a preferência será para o candidato que tiver a maior idade. As inscrições dos profissionais poderão ser realizadas entre os dias 17 de janeiro e 2 de fevereiro de 2014.

A previsão é que os profissionais comecem a trabalhar nos municípios a partir de março de 2014. Os enfermeiros serão direcionados para o Programa Saúde na Escola em capitais, regiões metropolitanas e municípios com população superior a 100 mil habitantes. Os dentistas, por sua vez, serão alocados em municípios com população rural e pobreza intermediária ou elevada, dentro do Programa Brasil Sorridente, iniciativa do Governo Federal para promoção, prevenção e recuperação da saúde bucal. Os profissionais interessados devem se inscrever pelo endereço eletrônico http://provab2013.saude.gov.br.

Os profissionais que se inscreverem e forem convocados firmarão contrato de um ano. Durante esse período, eles serão avaliados mensalmente pelo gestor local e poderão ser desligados do programa em caso de descumprimento de regras do edital, entre elas o descumprimento da carga horária obrigatória. Para receber a bolsa, os participantes do programa cumprem 32 horas semanais de atividades práticas e oito horas semanais de atividades acadêmicas. Além de bolsa, todos os profissionais terão acesso a um curso a distância de especialização com foco na Atenção Básica com duração de 12 meses, através da Universidade Aberta para o SUS – UNASUS.

SUPORTE – Os participantes têm acesso às ferramentas do Telessaúde Brasil Redes, programa do Ministério da Saúde que promove a orientação dos profissionais da Atenção Básica, por meio de teleconsultorias com núcleos especializados localizados em instituições formadoras e órgãos de gestão. Outra ferramenta disponível é o Portal Saúde Baseada em Evidências, plataforma que disponibiliza gratuitamente um banco de dados composto por documentos científicos, publicações sistematicamente revisadas e outras ferramentas (como calculadoras médicas e de análise estatística) que auxiliam a tomada de decisão no diagnóstico, tratamento e gestão.

PROVAB – Além de enfermeiros e dentistas, oprograma também conta com a participação de médicos. Atualmente, há 3.357 profissionais atuando pelo Provab, sob supervisão de universidades e hospitais de ensino em 1.177 municípios. Para os médicos, além da bolsa mensal de R$ 10 mil, outro atrativo é a possibilidade da pontuação adicional de 10% na prova de residência médica, caso o profissional cumpra todos os requisitos, a carga horária do programa e seja aprovado na avaliação final.

Fonte: Newton Palma, da Agência Saúde

Manjericão alivia problemas intestinais e tem ação anti-inflamatória

Planta também tem ação antibacteriana e pode aliviar sintomas de artrite reumatoide

Estudos sobre o manjericão demonstraram efeitos benéficos à saúde em dois aspectos básicos: os flavonoides e os óleos voláteis. 

A disposição dos componentes ativos do manjericão, denominados flavonoides, fornece proteção à célula. A orientina e a vicenina são dois flavonoides solúveis em água que têm sido de especial interesse no manjericão devido aos estudos sobre os leucócitos do sangue humano. Estes componentes protegem as estruturas celulares e os cromossomos contra a radiação e contra danos relacionados com oxigênio. 

Além disso, foi demonstrado que o manjericão protege contra o crescimento de bactérias indesejáveis. Estas propriedades antibacterianas não estão relacionadas com os flavonoides característicos do manjericão, mas sim com os seus óleos voláteis que contêm estragol, linalol, cineol, eugenol, sabineno, mirceno e limoneno. Estudos laboratoriais demonstraram a eficácia do manjericão na restrição do desenvolvimento de bactérias diversas, incluindo listeria monocytogenes, staphylococcus aureus, escherichia coli, yersinia enterocoliticae e pseudomonas aeruginosa. 

O componente de eugenol dos óleos voláteis do manjericão tem sido objeto de estudo aprofundado, dado que esta substância pode bloquear a atividade de uma enzima no organismo denominada ciclooxigenase (COX). Este efeito inibidor da enzima do eugenol qualifica o manjericão como um alimento anti-inflamatório que pode proporcionar importantes benefícios curativos, para além do alívio dos sintomas em indivíduos com problemas de saúde inflamatórios, como artrite reumatoide ou doenças intestinais inflamatórias. 

Nutrientes do manjericão

O manjericão é uma excelente fonte de vitamina K e manganês; uma fonte muito boa de cobre, vitamina A (sob a forma de carotenóides tais como beta-caroteno ), e vitamina C ; e uma boa fonte de cálcio, ferro, ácido fólico e magnésio. 

Quantidade recomendada

Existe pouca informação sobre a dosagem segura ou eficaz do manjericão. Normalmente é usado 10 a 20 ml de suco de folhas frescas de manjericão uma vez ao dia ou chás com a infusão de 2 gramas de manjericão fresco ou erva seca em água fervente duas vezes ao dia. 

Como consumir o manjericão

Folhas de manjericão são usadas para dar sabor a qualquer vegetal, aves ou carnes . A erva também é usada em tomate, ovos, ensopados, sopas e saladas. 

O manjericão fresco pode ser macerado com alho e azeite de oliva para fazer uma variedade de pesto sem derivados do leite, que pode cobrir uma variedade de pratos, incluindo massas, salmão e brushetta de trigo integral.

Ou então, pode ser colocado em camadas inteiras sobre fatias de tomate e queijo mussarela de búfala para criar uma salada colorida e saborosa. 

Podemos bater o manjericão com azeite de oliva e cebolas em um processador de alimentos ou liquidificador, formando um purê de manjericão que pode ser adicionado a uma deliciosa sopa de tomate. 

Além disso, podemos desfrutar de uma xícara de chá revigorante de manjericão, infundindo folhas frescas de manjericão picadas ou a erva em água fervente por 8 minutos. 

Manjericão roxo

O manjericão roxo é uma erva híbrida, desenvolvida, pela primeira vez, nos anos 50, na Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos. Suas folhas apresentam sabor similar e são usadas para decorar diversos tipos de pratos. Apresentam propriedades terapeuticas similares à do manjericão verde. 
Sementes e chá de manjericão

As sementes de manjericão fornecem uma ampla gama de benefícios para a saúde, como tratamento de desordens digestivas como: dor de estômago, flatulência, constipação, evacuações irregulares e indigestão. Além disso, por apresentarem efeitos anti espasmódico, podem ajudar a tratar a tosse. 

Para usar a semente, coloque 2 colheres de chá de sementes de manjericão para 1 xícara de água quente ou líquido de sua escolha. Se você quiser mais concentrada de um sabor, drenar o excesso de água após o inchaço das sementes de manjericão com água pura. A água quente (não ferver) ajuda a inchar totalmente as sementes de manjericão, liberando antioxidantes e enzimas digestivas. Deixe a mistura repousar por pelo menos 2 minutos com a água quente e consuma-as. 

O chá de manjericão pode ser usado para problemas de indigestão ou pode ser usado de forma tópica para acelerar a cicatrização de feridas. 

*Texto elaborado com a colaboração de Paula Crook, nutricionista da PB Consultoria em Nutrição.

Sal, açúcar, hipertensão e alimento industrializado.

A hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco para doença cardiovascular (infarto) e acidentes vasculares cerebrais (derrame). Estas doenças estão no topo do ranking das causas de morte prematura. Portanto, combater a hipertensão é uma forma eficaz de diminuir estas mortes. Por este motivo o controle da hipertensão arterial é um dos objetivos principais a ser atingido pelas políticas de saúde pública no mundo inteiro. Dentre as abordagens para este controle, a principal está relacionada com estilo de vida, onde dieta adequada e atividade física servem como os pilares destas políticas.

No que tange à dieta, a atenção dos pesquisadores, historicamente, tem se concentrado no sal. Existe uma série de evidências que comprovam que o excesso de sal na dieta moderna exerce um papel preponderante na causa da hipertensão. Considerando que em torno de 75% do sal ingerido na dieta provém de alimentos industrializados ou processados, o controle da ingestão de sal está se tornando cada vez mais difícil.

Agora, um novo aspecto vem sendo agregado à relação entre hipertensão e alimentos processados. Um estudo publicado no início de dezembro na revista científica Open Heart alerta para a entrada em cena de um novo personagem, presente, também em grande quantidade, no alimento processado (mesmo que muitas vezes não seja percebido) - este vilão é genericamente chamado de açúcar. São os carboidratos refinados - sacarose, glicose, frutose ou mesmo amido, que se degrada nestes açúcares simples. O estudo sugere uma série de mecanismos biológicos pelos quais estes açúcares, já bem conhecidos como fatores de risco para doenças metabólicas, podem também ser diretamente responsáveis pelo desenvolvimento da hipertensão arterial.

A principal preocupação dos pesquisadores é que a indústria alimentícia, ao ser pressionada para reduzir a quantidade de sal nos alimentos processados, tem aumentado, como compensação, a quantidade de açúcar nestes alimentos. Desta forma, as campanhas de redução de sal não surtiriam efeito, ao contrário, potencialmente poderiam aumentar o risco de hipertensão.

Se sua pergunta agora é: - Como sei o que é alimento processado ou industrializado? A resposta é simples: é processado ou industrializado todo o alimento que vem em embalagem, em lata ou em vidro.

E, no que diz respeito a açúcares dos diferentes tipos, os refrigerantes e os sucos adoçados são os mais ameaçadores à sua saúde!

Dê sempre preferência aos alimentos in natura, integrais, e o menos refinado possível.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Novo Hospital Regional abre as portas com nova unidade para criança

Sinop, MT - O Hospital Regional de Sinop foi de fato inaugurado na noite desta segunda-feira (15.12) e abre as suas portas para atender a população do município e região, com capacidade para atender todos os procedimentos hospitalares, sendo a unidade infantil e UTIs de média e alta complexidades. O governador Silval Barbosa, ao lado do prefeito de Sinop, Juarez Costa, do presidente do Tribunal de Justiça, Orlando Perri, entregou o novo hospital, agora em uma gestão compartilhada entre estado e município.

São 102 leitos, unidade de terapia intensiva, centro cirúrgico, unidade pediátrica de urgência e emergência com capacidade para atendimento de alta complexidade, sem contar os modernos equipamentos que passam a servir diretamente a população da região norte mato-grossense. 

Silval Barbosa, em sua fala, destacou os avanços das gestões das OSS nos hospitais de Rondonópolis e Cáceres. "Não tem como dimensionar os avanços que aconteceram nesses dois municípios, são ações positivas e muito significativas", disse. Porém depois das auditorias que aconteceram no hospital de Sinop, de posse do relatório preliminar, diante das irregularidades, o governo decidiu pela intervenção. E em apenas 40 dias de gestão foi possível recuperar e entregar o hospital para a população. 

Num rápido balanço, o governador lembrou os avanços na área de saúde, como a implantação de novos leitos no Pronto Socorro de Cuiabá, no Hospital do Câncer, Santa Casa de Cuiabá, a construção do Hospital Metropolitano, a unidades de Alta Floresta e Peixoto de Azevedo e os 250 leitos do novo Hospital Universitário, que está sendo construído em parceria com a UFMT. Além disso, o governador lembrou a implantação dos cursos de medicinas em Rondonópolis, Sinop pela Federal, e outro em Cáceres pela Unemat. 

Para o secretário de Estado de Saúde, Jorge Lafetá, a abertura de mais leitos de UTIs e de estabilização cumpre a política do Governo do Estado na descentralização da alta complexidade e média. " O Hospital com o arco cirúrgico vai poder fazer as cirurgias de ortopedia, que hoje é o grande gargalo da Saúde Pública. Muitas pessoas se acidentam de motos ou carros e aumenta a demanda destas cirurgias. Hoje completamos mais um ciclo de implantação de novos serviços. Cáceres, Rondonópolis, Colíder, Sorriso e Região Metropolitano já é realidade na evolução das cirurgias ortopédicas.A implantação da Urgência e emergência pediátrica era outra necessidade da Região Norte que foi concretizada.Muito se critica, mas muito se faz na Saúde Pública de Mato Grosso e a prova é a abertura desses serviços neste hospital", disse o secretário.

"Hoje acontece verdadeiramente a inauguração do Hospital Regional de Sinop", disse o prefeito Juarez Costa. Ele ressaltou a parceria do governo na ‘reconstrução do hospital e investiu na aquisição dos equipamentos, além dos recursos federais. Manoelito Rodrigues, servidor de carreira da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e interventor do Hospital disse que "a inauguração acontece com 100 por cento de investimento do Governo de Mato Grosso".

O secretário municipal de Saúde, Francisco Specian Jr., afirma que o Hospital Regional de Sinop está pronto para servir a população da região. São 15 leitos de UTIs adulto, o centro cirúrgico com três salas e a nova unidade de urgência e emergência pediátrica, além da sala de imagens, com raio-X digital, ultrassonografia. Neste quesito, o secretário destaca que com o novo raio-X, o médico vai poder ter acesso às imagens em seu terminal de computador na sala de atendimento, pois estará interligado à rede de internet.

ENTRÂNCIA ESPECIAL 

A Comarca de Sinop foi elevada da 3ª Entrância para Entrância Especial (último grau em Mato Grosso) em solenidade que aconteceu no Fórum com a presença do governador Silval Barbosa, que sancionou a Lei Complementar 549/2014. Sinop é a quarta cidade a elevar a esse grau. As demais são Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis. 

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Orlando Perri, após o descerramento da placa alusiva e da leitura do texto da lei, declarou instalada a Entrância Especial. 

O governador, durante a solenidade, disse que se sente feliz ao ouvir de todos os que antecederam que a instalação era a realização de um sonho de muitos e muitos anos. "Dentro de nossas limitações, fizemos de tudo para contemplar o maior número de demandas, e aqui está a nova comarca". 

A elevação de comarca de uma entrância para outra obedece a vários pré-requisitos, como o número de processos. 

O desembargador Perri destacou que atualmente em Sinop tramitam 53 mil processos, o mesmo número de quando Rondonópolis foi elevada a Entrância Especial. 

O diretor do Fórum, juiz Clóvis Mário Teixeira de Melo, disse que "Sinop é parte significativa da história do poder judiciário de Mato Grosso" e agora os juízes da comarca passam a concorrer ao cargo de desembargador em igualdade de condições.

Fonte: JOÃO BOSQUO Redacão/Secom-MT

Uso de adoçante artificial pode alterar o metabolismo da glicose contribuindo para a obesidade e diabete

O adoçante artificial tem sido amplamente utilizado tanto nas dietas para reduzir o peso como nas dietas de controle do diabete. Os chamados adoçantes artificiais não-calóricos estão entre os aditivos alimentares mais usados em todo o mundo e são considerados seguros e benéficos no tratamento de obesidade e diabete. A lógica de seu uso baseia-se no fato de conterem compostos que têm o mesmo gosto que o açúcar, porém sem as calorias. Dessa maneira, o indivíduo pode ingerir alimentos e bebidas com sabor doce sem se preocupar com o açúcar e seus efeitos sobre o peso ou diabete.

Em alguns países, porém, o uso de adoçantes artificiais tornou-se indiscriminado e começaram a surgir questionamentos na literatura médica sobre a sua verdadeira eficácia.

Em 17 de setembro passado foram publicados online resultados de uma pesquisa sobre este tema na revista Nature, uma das revistas científicas de maior impacto na atualidade. Os pesquisadores estudaram o efeito dos adoçantes artificiais em camundongos e em humanos.

Camundongos alimentados com adoçantes artificiais apresentaram maior concentração de açúcar no sangue do que aqueles que não receberam adoçantes.

No estudo com humanos foram avaliados vários parâmetros clínicos em um grupo de 381 indivíduos. Houve uma correlação positiva entre alterações metabólicas e consumo de adoçante. Aqueles com maior consumo de adoçantes apresentaram maior peso, maior circunferência abdominal, maior glicemia de jejum e maior percentagem de hemoglobina glicosilada, todos parâmetros indicativos de alterações metabólicas. É importante salientar que este tipo de estudo em humanos não tem a capacidade de comprovar que as alterações foram causadas pelo adoçante.

Baseado em um conceito recente de que o metabolismo da glicose e o desenvolvimento de obesidade e diabete estão associados ao tipo de flora intestinal, os pesquisadores testaram a hipótese de que os adoçantes artificiais poderiam alterar a flora intestinal. O mecanismo proposto é o de que certas bactérias reagem aos adoçantes artificiais secretando substâncias que produzem uma resposta inflamatória que produz mudanças na capacidade do organismo processar a glicose. Esta mesma resposta é observada quando muito açúcar é ingerido.

Para testar a hipótese da flora intestinal os pesquisadores administraram antibióticos nos camundongos que receberam adoçantes artificiais. O nível de açúcar no sangue voltou ao normal. Além disso, foi feito um transplante de bactérias do intestino de animais que receberam adoçante para animais que nunca tinham recebido adoçante. Houve um aumento da glicose no sangue destes animais que anteriormente eram saudáveis, indicando que a flora intestinal tem efetivamente uma participação na metabolização da glicose e que os adoçantes artificiais, assim como o açúcar em excesso, podem alterar esta flora.

O conjunto destes resultados abre perspectivas para novos estudos que possam esclarecer definitivamente a relação entre adoçantes e obesidade. Até isso acontecer parece prudente não exagerar no adoçante e no açúcar.

A criação do hábito de evitar alimentos adoçados, seja por açúcar ou adoçante artificial, pode trazer enormes benefícios à saúde. E, para matar a sede, nada de bebida doce ou refrigerante! Água é o melhor remédio.

Autor: Equipe ABC da Saúde

CLÍNICA GERAL

DR. LIDIONEY CUNHA SIQUEIRA
CRM-MT 6973
Av. Tancredo Neves, 481-W - Centro
Fone: (65) 3311-2300
E-mail: lidioney.med@gmail.com
Cep: 78300-000
Tangará da Serra - MT
+ Informações

Estado garante atendimento na Farmácia Cidadã e ganha liminar

A Secretaria de Estado de Saúde ganhou liminar na justiça determinando que a empresa DNMV S.A restabeleça, incontinenti, o acesso irrestrito de todas as funcionalidades do sistema de gerenciamento, operacionalização e execução dos serviços de saúde correspondentes à gestão, tanto da Central Estadual de Abastecimento de Insumos de Saúde da Coordenadoria de Assistência Farmacêutica, bem como dos Hospitais Regionais de Colíder e Metropolitano de Várzea Grande.

A Secretaria de Estado de Saúde entrou com a Ação Cautelar Inominada, após a empresa ter recusado ao Estado o acesso ao Sistema e dar a manutenção ao sistema, sob alegação inadimplemento quanto aos pagamentos contratuais. No entanto a secretaria fez os repasses devidos ao Ipas, e este por sua vez não repassou à empresa. Este fato está na justiça.

A Secretaria firmou contrato de Gestão com o Instituto Pernambucano de Assistência em Saúde para gerenciar estas unidades e foi identificada diversas irregularidades nos contratos de gestão, que gerou o procedimento de intervenção para cada um dos contratos e promoveu a ocupação temporária dos móveis, imóveis, pessoal e serviços vinculados ao objeto dos contratos de gestão. Uma destas irregularidades é o não pagamento de fornecedores, mesmo o Estado tendo feito o repasse financeiro.

A Secretaria de Estado de Saúde, em respeito a todos os cidadãos mato-grossenses, adotou as seguintes medidas: A Farmácia Cidadão ficará aberta em três turnos, encerrando o expediente as 10 horas da noite, até sexta-feira (19.12). Fica garantido o atendimento de todos os usuários agendados entre os dias 12,15,16 e 17.

Fonte: CIDA CAPELASSI Assessoria SES/MT

FARMÁCIA DE ALTO CUSTO - Remédios voltam a ser distribuídos

Mais uma vez, os pacientes que procuraram a Farmácia de Alto Custo na manhã de ontem encontraram a unidade de portas fechadas. Revoltados, eles bloquearam o principal portão de acesso ao Centro de Especialidades (Cermac), onde fica a unidade farmacêutica, até que o atendimento fosse realizado. 

No início da tarde, após quatro dias, a entrega de medicamentos começou a ser restabelecida. Responsável pela unidade, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que a farmácia ficaria aberta até às 22 horas, o que deve ocorrer até que a demanda acumulada seja atendida. Por dia, são agendadas 120 pessoas. 

De acordo com a assessoria de imprensa da SES, o transtorno foi causado por uma decisão da empresa MV, contratada para gerenciamento do sistema de entrega e distribuição dos medicamentos. A suspensão teria sido motivada pela falta de pagamento. 

Entretanto, ontem o órgão estadual obteve na justiça liminar favorável determinando o restabelecimento do serviço. 

Agora, com a liberação do sistema, o governo pretende fazer a migração dos dados dos pacientes para que o serviço passe a ser gerenciado pela própria secretaria. Com a intervenção na Farmácia de Alto Custo, o Instituto Pernambuco (IPAS), que à época administrativa a unidade, não teria repassado a verba referente ao serviço à MV. A SES informou que também já ingressou com uma ação para que o IPAS faça o repasse à MV. 

O semblante dos pacientes que procuravam mais uma vez a Farmácia de Alto Custo era desolador. Alguns reclamavam e outros saiam do local chorando. Inconformados, parte deles resolveu bloquear a entrada e saída do Cermac. Nisso, policiais militares estiveram no local para garantir a segurança de todos.

“Estou desde sexta-feira (12) nesta peregrinação. Toda vez que venho aqui o serviço está fora de sistema”, lamentou o carpinteiro Sebastião Gomes da Silva, de 67 anos. Anteontem, alguns pacientes chegaram a registrar boletim de ocorrência contra o Estado pela falta de atendimento. 

INDEFERIMENTO - Apesar de todo o caos na Farmácia de Alto Custo, situação que tem sido recorrente, a Justiça de Mato Grosso indeferiu, no último dia 10 deste mês, pedido de liminar do Ministério Público do Estado (MPE) para que o Estado regularizasse o atendimento na unidade no prazo de 48 horas, com servidores suficientes para realizar o atendimento em no máximo 15 minutos, bem como que todo o fornecimento dos medicamentos fosse encontrado no estoque a disposição da população no prazo máximo de 15 dias. 

Na ação, o promotor Alexandre Guedes solicitou ainda que no prazo de seis meses o Estado instalasse e colocasse em funcionamento, para a gestão dos seus serviços de assistência farmacêutica o programa HORUS do Ministério da Saúde ou algum outro similar e que seja gratuito. 

“Não vislumbro, pelo menos em sede deste juízo não exauriente, elementos capazes de autorizar a antecipação da tutela pretendida, já que não evidenciado que do seu não deferimento possa resultar lesão grave e de difícil reparação até o julgamento pela Câmara”, argumentou o desembargador Luiz Carlos da Costa.

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem Diário de Cuiabá

Exercício e depressão

A atividade física regular traz benefícios incontestáveis à saúde. A maior parte destes benefícios já tem comprovação científica, como a redução de mortalidade por qualquer causa, a redução do risco cardiovascular e de acidente vascular cerebral, bem como a redução do risco de alguns tipos de câncer.

No entanto, o efeito do exercício sobre a depressão ainda não está completamente esclarecido, apesar de alguns estudos indicarem um benefício.

A principal questão envolvida na relação exercício - depressão é a associação bidirecional dos componentes, o que impõe limitações à interpretação da maior parte dos estudos. Indivíduos deprimidos têm menor probabilidade de praticar atividade física regular e isto produz um viés quando se associa frequência de atividade física com sintomas de depressão num período curto de tempo. Em geral, as associações apontam para uma relação positiva, ou seja, as pessoas que se exercitam mais têm menos depressão. Porém, pode-se interpretar isto também pelo outro lado da questão, que as pessoas que se exercitam mais o fazem porque têm menos depressão. A depressão pode desabilitar o indivíduo para a atividade física e, portanto, uma indicação de direção da associação fica muito menos clara.

Uma forma de superar, ou pelo menos diminuir, esta dificuldade metodológica é produzir estudos prospectivos onde um grande grupo de pessoas é acompanhado por um longo período de tempo.

Uma pesquisa deste tipo teve os seus resultados publicados no dia 15 de outubro na edição online da revista científica americana JAMA Psychiatry. Cerca de 11 mil pessoas nascidas em uma mesma semana do ano de 1958 na Grã Bretanha foram acompanhadas até o ano de 2008 quando completaram 50 anos. O grupo foi avaliado por quase três décadas, com exames específicos aos 23, 33, 42 e 50 anos. A depressão foi medida por uma escala de sintomas e a frequência de atividade física por meio de questionário.

Os resultados, após análise estatística, demonstraram que as pessoas que se exercitavam mais tiveram menos sintomas de depressão. O aumento de atividade física nas pessoas inativas de qualquer idade também foi associado a uma redução dos sintomas de depressão nos anos subsequentes.

Apesar do estudo não provar uma relação direta de causa e efeito, os achados sugerem que a atividade física pode diminuir os sintomas de depressão na população em geral. Além disso, o estudo sugere também que a depressão no início da vida adulta pode ser um empecilho para o indivíduo desenvolver uma atividade física regular.

Fonte: Equipe ABC da Saúde

Transtorno de ansiedade generalizada.

O que é o transtorno de ansiedade generalizada (TAG)?

A ansiedade é um sentimento desagradável, que se acompanha de sensação de sufocação e falta de ar, frio no estômago, aperto nopeito, aceleração do coração e tremores. Ela não é um estado normal, mas é uma reação normal, esperada em determinadas situações. É necessária à auto-preservação, funcionando como um sinal de alerta que leva as pessoas a se defenderem das ameaças.

No transtorno de ansiedade generalizada experimenta-se uma ansiedade ininterrupta, crônica, vaga e indefinida, que se caracteriza por ter uma duração e intensidade desproporcionais às situações, a qual, além de não ajudar, dificulta as reações de defesa ao perigo. Pode vir acompanhada de irritabilidade, tensões musculares, perturbações no sono etc., e costuma causar um comprometimento significativo no funcionamento social ou ocupacional da pessoa, podendo gerar um acentuado sofrimento. Embora não seja exatamente a mesma coisa, o TAG corresponde, mais ou menos, ao que se denominava neurose de angústia.

Quais os sintomas do TAG?

Os sintomas são muito variados e o trabalho inicial do médico deve ser o de excluir outras doenças que possam apresentar sintomas semelhantes. Geralmente a pessoa sente tremores, inquietação, dor de cabeça, falta de ar, suor em excesso, palpitações, irritabilidade, tem problemas gastrointestinais inespecíficos e facilidade em alterar-se emocionalmente. Muitos indivíduos também experimentam sintomas somáticos como mãos frias epegajosas, boca seca, sudorese, náuseas, diarreia, micçãofrequente, dificuldade para engolir ou "nó na garganta" e uma resposta exagerada ao sobressalto. Esses indivíduos são excessivamente preocupados, o que pode acarretar prejuízos à sua saúde física e mental.

A associação com outros transtornos mentais ocorre em 80-90% dos pacientes. Outros transtornos de ansiedade podem ocorrer em 50 a 60% dos pacientes; a depressão maior em mais de 60% dos casos.

Em quem ocorre o TAG?

O TAG ocorre em pessoas de todas as culturas, mas em algumas delas a ansiedade é expressada predominantemente por sintomas somáticos e, em outras, por sintomas cognitivos. Em crianças e adolescentes, a ansiedade generalizada envolve preocupações com a escola ou eventos esportivos. Estima-se que cerca de 5% das pessoas são afetadas pelo TAG em algum momento da vida. Delas, cerca de 2/3 são mulheres.

Como evolui o TAG?

Mais de 50% daqueles que sofrem do TAG relatam que ele iniciou na infância ou na adolescência, mas o começo após os 20 anos também é relatado. O curso é crônico, mas oscilante, e piora durante os períodos de estresse.

Como deve ser o tratamento do TAG? 

O tratamento básico é psicoterápico, mas também se utiliza medicação (ansiolíticos e/ou antidepressivos). A maioria das pessoas experimenta uma acentuada redução da ansiedade com esses métodos. A psicoterapia (analítica ou não) sempre é uma ajuda importante.

Fonte: ABC.MED.BR

Compulsão Alimentar

O que é compulsão alimentar?

O indivíduo com compulsão alimentar come uma quantidade de alimentos maior do que a que lhe é necessária e “belisca” com frequência, mesmo quando não está com fome, ou se sente desconfortável e culpado por comer exageradamente. A pessoa que tem episódios de compulsão alimentar não necessariamente está com muita fome ou está há muito tempo sem comer, mas não consegue controlar a tendência de comer.

Este transtorno pode ser encontrado em todas as idades, classes sociais e em ambos os sexos. A quarta edição do Manual deDiagnóstico e Estatístico (DSM-IV) trata a compulsão alimentar como transtorno, não como doença. Alguns autores consideram que a compulsão alimentar é um componente da bulimia, mas outros acentuam uma diferença significativa: na bulimia -#-1-#- , após a ingestão exagerada de alimentos, o sujeito procura compensar a quantidade ingerida e perder peso; na compulsão alimentar isso não acontece. Ao contrário dos indivíduos com bulimia -#-1-#- , os compulsivos não procuram vomitar depois de comer exageradamente ou fazer exercícios para queimar ascalorias que ingeriram em excesso e não têm, como os bulímicos, grandes variações de peso. Eles frequentemente engordam e permanecem com peso acima do normal.

Quais são as causas da compulsão alimentar?

A compulsão alimentar não tem uma causa específica reconhecida. Sabe-se que o mecanismo de saciedade é regulado pelo hipotálamo e imagina-se que possivelmente haja um transtorno nesse mecanismo. Em geral, compulsão alimentar está associada a sentimentos de ansiedade e depressão, mas pode também acontecer nos indivíduos bipolares e naqueles com transtornos da personalidade que apresentam comportamentos de excesso em outras áreas, como beber, fumar, jogar, comprar, usar drogas, etc.

Não se pode deixar de ter em conta que a relação que estabelecemos com a alimentação ao longo da vida depende de fatores genéticos, sociais, educacionais e culturais. Assim, as causas do Transtorno de Compulsão Alimentar parecem ser multifatoriais.

Quais são os sinais e sintomas da compulsão alimentar?

A compulsão alimentar é uma situação em que a pessoa experimenta uma irresistível tendência de comer, mesmo não estando com fome ou experimentando mal-estar ou sentindo vergonha e culpa por essa conduta. Esse transtorno pode manifestar-se de forma contínua ou ter períodos de exacerbação cíclica. Algumas características que acompanham o transtorno são:

. Comer sozinho e comer depressa.
. Comer por descontrole, não por prazer.
. Comer todo tipo de alimento e não só os mais gordurosos ou os carboidratos.
. Ingerir uma grande quantidade de comida, mesmo quando não há fome.
. Comer mesmo quando se sente desconfortável com esse ato.
. “Lambiscar” mesmo não tendo fome, enquanto tiver comida disponível.
. Esconder o hábito de comer, por vergonha. Comer às escondidas.
. “Assaltar” a geladeira, à noite.
. Comer em excesso nas situações de estresse.
. Mostrar descontentamento com seus hábitos, sem poder, no entanto, evitá-los.
. Mostrar descontentamento com sua aparência física e peso.

Como o médico diagnostica a compulsão alimentar?

O diagnóstico deve ser feito por meio de uma história clínica que tenha especial atenção para com as características dos sintomas. Geralmente o próprio paciente se queixa de uma invencível compulsão a comer, mesmo não estando com fome e se angustiando com isso. O transtorno pode apresentar-se de maneira continuada, mas geralmente mostra períodos de maior ou menor intensidade. O transtorno deve ser diferenciado de outros distúrbios alimentares parecidos, como a bulimia, o que se pode fazer observando as características especiais da doença.

Como o médico trata a compulsão alimentar?

Não há um tratamento específico para esse transtorno. Como frequentemente ele está associado a problemas psíquicos (ansiedade, depressão, bipolaridade, etc), o tratamento psicológico/psiquiátrico é indicado (tranquilizantes, antidepressivos, controladores do humor, aconselhamento e terapia familiar, grupos de apoio, terapia de grupo, aconselhamento alimentar). Os tratamentos medicamentosos apregoados como “específicos” quase sempre são ineficazes. Eventuais complicações (excesso de peso, pressão alta, etc) devem ser tratadas com os meios específicos.

Como prevenir a compulsão alimentar?

. Se não for possível evitar a compulsão alimentar, procure pelo menos torná-la “mais saudável”:
. Não fique sem se alimentar por um período muito longo.
. Procure comer devagar, mastigando bem os alimentos.
. Detenha-se no sabor dos alimentos. Saboreie cada colherada com prazer.
. Coma uma salada antes de cada refeição, isso aumenta a saciedade.
. Pense que se alimentando menos você irá se sentir mais bem disposto.
. Procure fazer caminhadas, ler ou realizar alguma coisa que lhe dê prazer.
. Procure incluir frutas, legumes e verduras na sua alimentação.
. Procure manter horários regulares para se alimentar.

Como evolui a compulsão alimentar?

As pessoas que têm compulsão alimentar podem ter complicações graves da saúde física.

Fonte: ABC.MED.BR,

Medicação + Suplementos: a combinação que pode ser perigosa

Os suplementos nutricionais e vitamínicos têm apresentado um consumo crescente em vários países devido à sua grande publicidade sobre supostos benefícios à saúde.

A agência governamental que regula os medicamentos nos Estados Unidos (Food and Drug Administration - FDA) lançou recentemente um alerta sobre o uso combinado de suplementos e medicação.

Na classificação de suplementos dietéticos estão incluídos, além das vitaminas e minerais, outras substâncias como herbais, amino-ácidos, fitoterápicos, enzimas e extratos animais. Geralmente estes compostos não necessitam, para entrar no mercado, de pré-aprovação da FDA quanto à sua segurança e efetividade. Mesmo que alguns desses suplementos sejam mais conhecidos e com uso estabelecido há mais tempo, a maior parte necessita de estudos mais profundos para o entendimento do seu funcionamento e eficácia. Além disso, muitas vezes é confuso o discernimento entre o que é um alimento, um suplemento ou um medicamento sem receita.

Neste informativo o FDA alerta que tomar vitaminas e outros suplementos juntamente com medicação pode ser perigoso. Alguns suplementos podem aumentar o efeito da medicação e outros podem diminuir esse efeito. Isso ocorre porque certos suplementos podem alterar a absorção, a metabolização ou a excreção do medicamento, alterando desta forma a sua potência e eficácia.

Por exemplo, remédios para AIDS, para depressão, para o coração e mesmo pílulas anticoncepcionais, podem ter a sua eficácia reduzida se a pessoa faz uso da Erva-de-São-João, também conhecida como Hipericão. Dependendo da medicação envolvida, o resultado negativo pode ser sério. E, como esta, várias outras interações podem ocorrer entre medicamentos e suplementos.

A recomendação para evitar problemas de saúde, que podem atingir níveis graves, é consultar o médico para esclarecer os possíveis problemas com a ingestão de suplementos junto com remédios.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Viver mais e melhor? - Dieta do Mediterrâneo é a resposta.

A dieta do mediterrâneo é um padrão alimentar típico das populações que vivem próximas ao mar mediterrâneo (sul da Europa) e que possuem vários elementos em comum, como o consumo preponderante de frutas, legumes, nozes, grãos integrais, peixe e óleo de oliva. Os benefícios à saúde da dieta do mediterrâneo já estão bem evidenciados em diversos trabalhos científicos, que demonstram efeitos como redução da mortalidade, aumento da longevidade e redução de doenças crônicas.

Resultados de uma nova pesquisa vêm somar-se a este já amplo contingente de evidências científicas favoráveis à esta dieta. A novidade deste novo estudo é a abordagem genética dos efeitos da dieta do mediterrâneo. A pesquisa, publicada no dia 2 de dezembro na revista British Medical Journal, teve como objetivo examinar se existe alguma associação entre a aderência à dieta do mediterrâneo e o tamanho dos telômeros.

Os telômeros são biomarcadores do envelhecimento e consistem de sequências repetitivas de DNA nas porções finais dos cromossomas.

Os telômeros sofrem um enfraquecimento natural pelos processos de divisão celular, tornando-se progressivamente menores com a idade, motivo pelo qual eles funcionam como um marcador de longevidade. O enfraquecimento dos telômeros pode ser acelerado por estresse oxidativo e inflamação. Telômeros curtos estão associados com uma menor expectativa de vida e uma maior probabilidade do indivíduo desenvolver doenças crônicas relacionadas com a idade. Alguns estudos sugerem que o padrão de enfraquecimento dos telômeros é modificável e que fatores relacionados com estilo de vida podem atuar sobre o seu encurtamento, independentemente da idade.

A pesquisa analisou dados de 4676 mulheres saudáveis que respondiam a um detalhado questionário sobre a alimentação, sendo atribuído um escore de 0 a 9 para a aderência à dieta do mediterrâneo (9 representando maior aderência) e faziam um teste sanguíneo, de onde foi extraída a medida do comprimento dos telômeros dos leucócitos.

Além da idade (mulheres mais jovens apresentaram telômeros maiores) houve uma associação significativa entre o comprimento dos telômeros com a aderência à dieta do mediterrâneo. Cada ponto no escore da dieta correspondeu a uma redução de 1,5 ano na idade do telômero. Curiosamente, não houve associação entre a ingestão dos itens da dieta ingeridos individualmente, sugerindo que o efeito favorável só é alcançado com o conjunto de elementos da dieta.

Este estudo confirma os benefícios da dieta do mediterrâneo sobre a promoção da saúde e a longevidade.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Uso de adoçante artificial pode alterar o metabolismo da glicose contribuindo para a obesidade e diabete

O adoçante artificial tem sido amplamente utilizado tanto nas dietas para reduzir o peso como nas dietas de controle do diabete. Os chamados adoçantes artificiais não-calóricos estão entre os aditivos alimentares mais usados em todo o mundo e são considerados seguros e benéficos no tratamento de obesidade e diabete. A lógica de seu uso baseia-se no fato de conterem compostos que têm o mesmo gosto que o açúcar, porém sem as calorias. Dessa maneira, o indivíduo pode ingerir alimentos e bebidas com sabor doce sem se preocupar com o açúcar e seus efeitos sobre o peso ou diabete.

Em alguns países, porém, o uso de adoçantes artificiais tornou-se indiscriminado e começaram a surgir questionamentos na literatura médica sobre a sua verdadeira eficácia.

Em 17 de setembro passado foram publicados online resultados de uma pesquisa sobre este tema na revista Nature, uma das revistas científicas de maior impacto na atualidade. Os pesquisadores estudaram o efeito dos adoçantes artificiais em camundongos e em humanos.

Camundongos alimentados com adoçantes artificiais apresentaram maior concentração de açúcar no sangue do que aqueles que não receberam adoçantes.

No estudo com humanos foram avaliados vários parâmetros clínicos em um grupo de 381 indivíduos. Houve uma correlação positiva entre alterações metabólicas e consumo de adoçante. Aqueles com maior consumo de adoçantes apresentaram maior peso, maior circunferência abdominal, maior glicemia de jejum e maior percentagem de hemoglobina glicosilada, todos parâmetros indicativos de alterações metabólicas. É importante salientar que este tipo de estudo em humanos não tem a capacidade de comprovar que as alterações foram causadas pelo adoçante.

Baseado em um conceito recente de que o metabolismo da glicose e o desenvolvimento de obesidade e diabete estão associados ao tipo de flora intestinal, os pesquisadores testaram a hipótese de que os adoçantes artificiais poderiam alterar a flora intestinal. O mecanismo proposto é o de que certas bactérias reagem aos adoçantes artificiais secretando substâncias que produzem uma resposta inflamatória que produz mudanças na capacidade do organismo processar a glicose. Esta mesma resposta é observada quando muito açúcar é ingerido.

Para testar a hipótese da flora intestinal os pesquisadores administraram antibióticos nos camundongos que receberam adoçantes artificiais. O nível de açúcar no sangue voltou ao normal. Além disso, foi feito um transplante de bactérias do intestino de animais que receberam adoçante para animais que nunca tinham recebido adoçante. Houve um aumento da glicose no sangue destes animais que anteriormente eram saudáveis, indicando que a flora intestinal tem efetivamente uma participação na metabolização da glicose e que os adoçantes artificiais, assim como o açúcar em excesso, podem alterar esta flora.

O conjunto destes resultados abre perspectivas para novos estudos que possam esclarecer definitivamente a relação entre adoçantes e obesidade. Até isso acontecer parece prudente não exagerar no adoçante e no açúcar.

A criação do hábito de evitar alimentos adoçados, seja por açúcar ou adoçante artificial, pode trazer enormes benefícios à saúde. E, para matar a sede, nada de bebida doce ou refrigerante! Água é o melhor remédio.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Curiosidade pode aumentar a memória

Grande parte das coisas corriqueiras de um dia normal de uma pessoa são esquecidas. Por outro lado, alguns eventos e situações ficam na memória e são facilmente lembradas por muito tempo. Uma questão sempre levantada pelos pesquisadores desta área do conhecimento é: - O que diferencia as situações em que eventos são lembrados das situações que são esquecidos?

De uma maneira geral as pessoas lembram e aprendem com mais facilidade assuntos que interessam a elas, o que sugere que a motivação e a curiosidade - que é uma forma de motivação - são aspectos importantes no aprendizado e formação da memória. Esta constatação empírica é, no entanto, pouco entendida quanto aos seus mecanismos.

Este entendimento ficou mais próximo a partir dos resultados de uma pesquisa publicada recentemente na revista científica Neuron. Em uma primeira fase do experimento um grupo de um total de 28 pessoas foi apresentado à diversas perguntas triviais em que o participante quantificava qual a probabilidade dele saber a resposta e o seu grau de curiosidade de saber a resposta.

Na segunda fase do experimento, as perguntas que os participantes tiveram baixa probabilidade de saber a resposta foram classificadas como de alta curiosidade ou baixa curiosidade e aplicada enquanto o participante se submetia a um exame de imagem dinâmico, chamado de ressonância magnética funcional, que indica quais regiões do cérebro são ativadas em determinada situação.

Entre as questões eram mostradas figuras neutras de pessoas.

Os pesquisadores investigaram quais regiões cerebrais eram recrutadas enquanto o individuo respondia às questões, relacionando as regiões com o grau de curiosidade. A fase final consistiu-se de um teste surpresa de memória em que eram apresentadas novamente as mesmas perguntas e as figuras das faces.

Os resultados revelaram que os participantes lembraram mais das perguntas que eles tinham maior curiosidade e, além disso, lembraram mais das figuras incidentais que estavam associadas às perguntas de maior curiosidade.

Por sua vez, a análise de imagem mostrou que as perguntas de maior curiosidade ativaram uma região do cérebro que funciona como sistema de recompensa - chamada de núcleo acumbens - e uma região, chamada de hipocampo, que é a responsável pela formação de novas memórias. Além disso, mostrou uma forte interação funcional entre estas duas regiões.

Apesar de ser um trabalho com uma abordagem metodológica relativamente complexa, o conjunto de seus resultados é bastante claro e confirma a hipótese motivacional do aprendizado. E vai mais além, ao demonstrar que o mecanismo está relacionado com a ativação de um circuito cerebral de recompensa na situação de curiosidade e que, interagindo com o centro formador de memórias, coloca o cérebro em uma condição fisiológica mais propícia para aprender e reter novas informações, sejam elas a origem da curiosidade ou simplesmente estejam temporalmente associadas a um estado de curiosidade.

Despertar a curiosidade de quem está aprendendo pode facilitar o aprendizado não só daquela curiosidade, mas também de todas as informações, raciocínios, práticas e habilidades que estão associados a ela.

Isto pode servir de estratégia formal para professores, instrutores, tutores e mestres em geral, no processo ensino-aprendizado, como também para aqueles que, com mais idade, queiram manter a memória em dia.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Reforma melhora e aumenta leitos do SUS na Santa Casa

A Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá conta agora com mais 29 leitos, sendo 11 para oncologia, na nova Enfermaria do SUS totalmente reforma e ampliada, por meio de uma parceria com o Governo de Mato Grosso e outros parceiros. A cerimônia de entrega da obra aconteceu na manhã desta sexta-feira (05), com a presença da primeira-dama Roseli Barbosa.

Os investimentos foram na ordem de R$ 2,2 milhões, sendo que o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado das Cidades (Secid), investiu R$ 1,8 milhão, na reforma completa do telhado da Enfermaria, que inclui o Pronto-Atendimento (PA) Infantil e área de atendimento. “Agora o paciente do SUS vai ter um atendimento melhor”, garante o presidente da Santa Casa, o médico Antônio Preza.

A reforma e ampliação melhora o atendimento em todos os sentidos. Além do aumento do numero de leitos disponíveis do SUS, os colaboradores da instituição vão encontrar um ambiente melhor. Antes da reforma, literalmente chovia na Enfermaria, conforme relato da direção do hospital. A primeira-dama Roseli Barbosa conheceu a Enfermaria e abraçou a causa da reforma.

"Nós já tínhamos essa parceria com a Santa Casa há alguns anos. Agora nós fizemos esse esforço para reformar o telhado, que era um problema muito sério, e junto a nós somam os demais que buscam a melhoria do atendimento das pessoas”, disse Roseli ao lembrar da preocupação de se fazer o trabalho de reforma do telhado sem poder mexer na estrutura das paredes, já que o prédio é tombado pelo patrimônio histórico.

Antônio Preza explica que a reforma acontece também com a parceria do Centro de Apoio no Combate ao Câncer "Pe. Onesto Costa" (Paróquia São Cristovão), de Primavera do Leste, que possibilitou a implantação de 11 enfermarias de oncologia. As demais enfermarias são para atendimento clinico do centro cirúrgico. “Este é um processo de reconstrução da Santa Casa, que já vem de algum tempo. A primeira obra foi a reforma do PA Infantil e agora a Enfermaria, e esperamos entregar as demais reformas, com outros parceiros ainda este mês”. Mês que se comemora os 197 anos de fundação da instituição.

O prefeito de Primavera do Leste, Érico Piana, destacou a importâncias da parceria para superação das dificuldades. “É importante esse reconhecimento, de uma causa beneficente como esta”, completou.

Presentes ainda os secretários de Estado da Saúde, Jorge Lafetá; do município de Cuiabá, Werley Silva Peres, padre Divino, de Primavera do Leste, e o capelão da Santa Casa, padre Sebastião.

Fonte: JOÃO BOSQUO
Redação / Secom-MT

O que é Esclerose Múltipla?

esc
A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica do sistema nervoso central que afeta o cérebro e a medula espinhal e que interfere na capacidade do cérebro e da medula espinhal para controlar funções, como caminhar, enxergar, falar, urinar e outras.

A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica do sistema nervoso central que afeta o cérebro e a medula espinhal e que interfere na capacidade do cérebro e da medula espinhal para controlar funções, como caminhar, enxergar, falar, urinar e outras.

A Associação Brasileira de Esclerose Múltipla estima que, atualmente 35 mil brasileiros são portadores de esclerose múltipla. Incide geralmente entre 20 e 50 anos de idade, predominando entre as mulheres.(Leia +)

Fonte: ABEM

Auditoria do SUS capacita municípios na operacionalização de Sistema

A Secretaria de Estado de Saúde, por meio da Auditoria Geral do SUS, concluiu a terceira etapa da Oficina de Auditoria do SUS, que capacitou e qualificou técnicos das Secretarias Municipais de Saúde e dos Escritórios Regionais de Saúde, na operacionalização do sistema para confecção de relatórios de auditoria do SUS – Sisaud/SUS .

As oficinas foram realizadas na Escola de Saúde Pública de Mato Grosso, que contou com três etapas.Na primeira ,foram capacitados técnicos das Secretaria Municipais de Saúde de Cuiabá, Diamantino, Juara, Nobres, Nova Maringá, Rosário Oeste, São José do Rio Claro e Várzea Grande.Já na segunda etapa abrangeu os técnicos dos municípios de Arenápolis, Barra do Bugres, Campo Novo do Parecis, Matupá, Nova Marilândia, Nova Olímpia, Peixoto de Azevedo, São José dos Quatro Marcos , Sapezal e Tangará da Serra.A Terceira etapa foi reservada para capacitar técnicos dos 16 Escritórios Regionais de Saúde do Estado.

Para o Auditor Geral do SUS, Eliberto Francisco da Cruz, “esse trabalho é extremamente importante pois visa repassar conhecimentos e informações aos municípios sobre o sistema Sisaud/SUS, possibilitando aos mesmos condições para estruturar o componente municipal de auditoria do SUS.O esforço e dedicação de todas as Equipes resultaram no bom trabalho e crescimento de aprendizado sobre o Sistema Único de Saúde e o papel da Auditoria do SUS inserido ao Sistema”, concluiu o Auditor.

Fonte: CIDA CAPELASSI Assessoria SES/MT

Suco detox de uva e água de coco é isotônico natural e auxilia na perda de peso

A água de coco é uma das bebidas naturais mais usadas para a hidratação de pessoas praticando esportes, passeando na praia ou curtindo um dia quente fora de casa. Se misturada com a uva, o resultado é um suco detox que promete desinchar o corpo e auxiliar na perda de peso.

Além disto, a mistura torna-se um isotônico natural, excelente para ser ingerido após exercícios físicos. Os que já combinaram este suco detox com atividades físicas regulares, garantem que a bebida auxilia a perder aqueles quilos a mais.

A receita abaixo rende um copo de 240 ml com 50 kcal. Confira:

INGREDIENTES:

. 1 copo (200 ml) de água de coco

. 5 uvas verdes sem sementes

. Cubos de gelo (a gosto)

MODO DE PREPARO:

Bata os ingredientes no liquidificador e coe.
Sirva em seguida.

Fonte: Stéfanie Medeiros - Redação Olhar Direto

AIDS/DIA MUNDIAL - Tratamento como prevenção apresenta primeiros resultados

Nova campanha, lançada pelo Ministério da saúde, no Dia Mundial de Luta contra Aids, tem como estratégia a prevenção, a testagem e o tratamento. O foco será o público jovem

O Brasil chega este ano com 29% a mais de pessoas em tratamento com antirretrovirais pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na comparação com 2013. De Janeiro a Outubro do ano passado, 47.506 pessoas entraram em uso de medicação antirretroviral, sendo que neste mesmo período de 2014 foram 61.221 pacientes. No total acumulado, quase 400 mil pessoas já estão em terapia com estes medicamentos, neste ano. Os dados são do Boletim Epidemiológico de HIV e Aids 2014, divulgados pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, nesta segunda-feira, em Brasília, por ocasião do Dia Mundial de Luta contra a aids (1º de dezembro). (Leia +)

Fonte: Portal Saúde

Profissionais do Samu recebem capacitação sobre vírus Ebola

Profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) participam de treinamento para um possível atendimento de pessoas acometidas com o vírus Ebola. A capacitação ocorre na Escola de Saúde Pública. No dia 1 de dezembro das 8 às 12 hs, no dia 2 de dezembro das 12 as 18hs, e no dia 5 de dezembro das 19hs às 22 hs. O objetivo é orientar os profissionais sobre o procedimento adequado durante o atendimento às vítimas com vírus Ebola.

Segundo o Diretor Geral do Samu de Mato Grosso, João Tatsuro Júnior o Ministério da Saúde definiu que a remoção de pacientes com casos suspeitos identificados em portos e aeroportos será realizada pelos profissionais do Samu por isso da importância da Capacitação.”Para que a ação ocorra com eficiência é necessário que os profissionais tomem algumas precauções, dentre elas, o uso de máscara cirúrgica, proteção facial, jalecos de manga comprida, luvas e aventais resistentes a fluídos ou impermeáveis nos atendimentos. A intenção é aumentar a vigilância e realizar treinamento com os profissionais do SAMU nos uso destes equipamentos de proteção pessoal”, disse ele.

Serão capacitados cerca de 200 profissionais do Serviço Móvel de Atendimento Samu 192, além de profissionais do Hospital Estadual Metropolitano de Várzea Grande, por ser o hospital Referência no atendimento e servidores do Centro de Informação Estratégica(CIEVS) ligados a Vigilância em Saúde.

O Curso será composto de aulas teóricas e práticas, e os temas baseados no Plano de Contingência para emergência em Saúde Pública(DVE) elaborado pelo Ministério da Saúde que visam organizar e treinar e criar fluxograma para atendimento de casos suspeitos.

O Ebola ocasiona febre, cefaleia, fraqueza, diarreia, vômitos ,dor abdominal, inapetência, odinofagia e manifestações hemorrágicas. O período de incubação da doença pode variar de 02 a 21 dias e desaparecer entre 30 e 168 dias após a infecção. A suscetibilidade ao vírus Ebola é universal, no entanto, a adoção das medidas de prevenção garante segurança no manejo dos pacientes. A transmissão só ocorre após o aparecimento dos sintomas e se dá por meio do contato com sangue, tecidos ou fluidos corporais de indivíduos infectados (incluindo cadáveres) , ou do contato com superfícies e objetos contaminados. Não há transmissão durante o período de incubação. 

Fonte: CIDA CAPELASSI Assessoria SES/MT