Saúde do Estado realiza Seminário sobre Aleitamento Materno

Em comemoração a Semana Mundial de Aleitamento materno que é celebrada de 01 a 07 de agosto, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) realiza o Seminário Estadual de Abertura da Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 e o Lançamento do Projeto Agosto Dourado. O evento acontece dia 01 de agosto em período integral no Auditório do Conselho Regional de Farmácia. 

Segundo a técnica da área da mulher e da criança, Aline Régia a novidade este ano e o lançamento do projeto "Agosto Dourado", tem como objetivo destacar durante todo o mês de agosto os benefícios do aleitamento materno exclusivo ate os 06 meses de vida e da alimentação complementar e saudável. A escolha da cor dourada faz alusão ao "Gold Minute" (minuto dourado), que relembra a importância do aleitamento materno se iniciado logo após o nascimento do bebê.

O seminário faz parte das atividades que marcam a Semana Mundial de Amamentação. Em Mato Grosso a Secretaria de Estado de Saúde tem como parceiros para as atividades da Semana as Secretarias Municipais de Saúde dos 141 municipios. Em todo o Estado os 16 Escritórios Regionais de Saúde, da Ses, estarão unidos às Secretarias Municipais de Saúde na promoção de atividades que demonstrem a necessidade da amamentação logo após os bebês terem nascido.

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO - Os beneficiados pelo aleitamento materno na primeira hora após o nascimento são tanto a mãe como o bebê uma vez que o aleitamento materno chega a salvar vidas, além de proteger mais o bebê contra doenças; ajudar a mulher a ter leite mais rapidamente, e auxiliar nas contrações uterinas, diminuindo o risco de hemorragia.

O leite materno é o único alimento capaz de oferecer todos os nutrientes na quantidade exata de que o bebê precisa para seu crescimento e desenvolvimento, razão pela qual não deve ser substituído. A amamentação também garante ao bebê proteção contra infecções, alergias e outras doenças. A mãe é beneficiada com menos chances de desenvolver anemia, câncer de mama e diabetes, pela diminuição do sangramento pós-parto.

O ato de amamentar ainda contribui para que a mãe perca mais rapidamente o peso que ganhou durante a gravidez, bem como o ato de sugar é importante para o desenvolvimento da face, da dentição e da fala da criança e para a sua respiração. E, além de saúde, a amamentação fortalece o vínculo afetivo entre mãe e filho. O apoio do pai, bem como de toda a família, dos vizinhos, dos amigos, dos profissionais de saúde e dos colegas de trabalho à mulher que amamenta é fundamental para garantir o aleitamento exclusivo (sem água, chá ou suco) nos seis primeiros meses de vida do bebê, complementado gradualmente com outros alimentos saudáveis até os dois anos ou mais.

Fonte: Anderson Acendino SES/MT

Governo Decreta Intervenção na Farmácia de Alto Custo

O governo de Mato Grosso decretou intervenção na Farmácia de Alto Custo. A decisão se deu após recomendação da Auditoria Geral do Estado que concluiu um minucioso relatório sobre medicamentos vencidos abrangendo o período de novembro de 2012 a abril de 2013. O relatório aponta para o desperdício de medicamentos e insumos à saúde que se aproximam dos 3 milhões de reais (R$ 2.823.179,04).

A chamada Farmácia de Alto Custo (Central Estadual de Abastecimento de Insumos de Saúde) estava sob responsabilidade do Instituto Pernambucano de Assistência Social (IPAS), Organização Social contratada para execução dos serviços de Saúde do Estado. Ela poderá até mesmo ter seu contrato rescindido, após o prazo de 180 dias (determinado pela legislação) ou a qualquer momento. A partir de agora (01/08) o interventor que passa a responder pela instituição é o funcionário Marcelo de Alécio Costa, nomeado pelo decreto nº 1.874, assinado terça-feira (dia 30) pelo governador Silval Barbosa e pelo secretário-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf.

A Auditoria Geral do Estado, além de recomendar a intervenção também indicou a necessidade da instauração de processo administrativo para apurar as irregularidades que aponta no relatório datado de 12/07/2013.

Fonte: Redação SECOM/MT

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS - Parceria entre Ministério e Facebook completa um ano

Durante este período, 135 mil pessoas manifestaram o desejo de ser possíveis doadoras de órgãos

A parceria entre o Ministério da Saúde e o Facebook para incentivar a doação de órgãos entre usuários da rede social completa um ano. Durante este período, 135 mil pessoas manifestaram o desejo de ser possíveis doadoras de órgãos. A ferramenta permite que o internauta adicione esta informação a sua linha do tempo e também ao seu perfil.

O objetivo da parceria é que o usuário compartilhe a sua história de vida e os motivos que o levaram a se tornar um doador. Após a inserção da funcionalidade e a divulgação da campanha, houve um aumento de 1.780% no número de usuários na página oficial de Doação de Órgãos do Ministério da Saúde no Facebook. A rede social também disponibilizou a funcionalidade em outros países.

Em 2012, foram realizadas 24 mil cirurgias de transplantes no país, sendo 95% no Sistema Único de Saúde (SUS). Embora o Brasil tenha o maior sistema público de transplantes de órgãos do mundo, o Ministério da Saúde trabalha para aumentar o número de cirurgias e de doadores.(Leia +)

Por Kathlen Amado - Da Agência Saúde/Ascom-MS

Dra. Juliana Paula L. C. Vaccari

Ginecologia e Obstetrícia
CRM-MT 4304


FORMAÇÃO PROFISSIONAL

-Formação Universitária: Universidades de Cuiabá-UNIC, Cuiabá-MT, curso de medicina
-Residência Médica: Hospital Geral Universitário, Cuiabá-MT, em Obstétricia e Ginecologia.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

-Agosto/2003 a Janeiro/2004- Posto de saúde da Pedra 90-Cuiabá-MT como Ginecologista Clínica
-Janeiro/2004 a Fevereiro/2006-Residência Médica em Obstetrícia e Ginecologia no Hospital Geral Universitário-Cuiabá/MT
-Desde Janeiro/2005-Médico Plantonista do Pronto-Socorro Municipal de Varzéa Grande-MT como Ginecologista e Obstetra.
-Médica Ginecologista e Obstetra do Posto de Saúde da Pedra 90 I e II Cuiabá-MT de   -Março/2006 até Julho/2009
-Médica Ginecologista e Obstetra das Policlínicas do Cristo Rei e Parque do Lago (Varzéa Grande-MT) de Março/2006 até Setembro/2012.
- Médica Ginecologista e Obstetra da Clínica Hospital e Maternidade Femina (Cuiabá-MT )( Sala 09/1 andar )de  Julho/2006 até os dias atuais.
-Médica Ginecologista e Obstetra Cooperada da Unimed Cuiabá desde 2007.
-Médica Ginecologista e Obstetra da Clínica Hospital e Maternidade Santa Rita (Varzéa Grande-MT )de  Julho/2006 até os dias atuais.
-Médica Ginecologista e Obstetra da Clínica La Vitta (Varzéa Grande -MT ) Janeiro/2010 até os dias atuais.

-Médica Ginecologista e Obstetra do Ambulatório da Unimed Fácil Cuiabá de  Janeiro/2010 até os dias atuais.

LOCAL DE ATENDIMENTO:

CLÍNICA MATERNO INFANTIL
SANTA ÂNGELA
Rua Júlio Martinez Benevides, 98-E - Centro
Fone: (65) 3311-1900 / 3311-1960
Tangará da Serra - MT
Ver no Mapa

CONVÊNIOS: 

UNIVIDA e UNIMED.

                                                                                 Marcar Consulta

IDH-M - Queda de mortalidade infantil contribui para índice positivo

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) aponta que a longevidade, no qual está inserido ao taxa de mortalidade infantil, é um dos fatores que impulsionaram a melhoria na avaliação dos municípios brasileiros

A redução da mortalidade infantil foi um dos fatores que influenciaram a melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do Brasil apresentado nesta segunda-feira (29) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O indicador do País saltou 47,8% entre 1991 e 2010, puxado pela melhoria dos dados relacionados à educação, renda e longevidade da população – este último índice leva em conta a queda da mortalidade infantil nas cidades brasileiras.

O PNUD destacou que 50% dos municípios brasileiros cumpriram o Objetivo do Milênio de registrar a taxa de mortalidade menor do que 17 óbitos por mil nascidos vivos. Em 1991, apenas 0,5% das cidades estavam dentro dessa meta. Além disso, o programa ligado à ONU para o desenvolvimento apontou que no início da década de 1990, 38,4% municípios registravam taxa alta de mortalidade infantil(com mais de 50 óbitos por mil nascidos vivos). Em 2010, por outro lado, nenhum município brasileiro alcançou a esse patamar. O PNUD utilizou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

O IDHM do Brasil passou de 0,493 (Muito Baixo Desenvolvimento Humano) para 0,727 (Alto Desenvolvimento Humano). O IDHM Longevidade de 0,816 foi o que mais contribuiu para o IDHM do país e o mais próximo de 1,valor que representa a melhor avaliação do setor. A evolução do índice de longevidade representa um aumento de 9,2 anos na expectativa de vida ao nascer entre 1991 e 2010. No mesmo intervalo, o IDHM Longevidade do País acumulou alta de 23,2%. A pesquisa foi realizada pelo PNUD em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e a Fundação João Pinheiro (FJP).(Leia +)

Por Daniela Martins, da Agência Saúde – ASCOM/MS

Mais Médicos: 4.657 profissionais concluem cadastro no programa

Entrega de documentos de brasileiros no primeiro mês de seleção se encerrou neste domingo (28). Do total de 18.450 médicos inscritos, 7.278 permanecem com CRMs inválidos

O Programa Mais Médicos para o Brasil encerrou seu primeiro mês de seleção com 4.657 médicos cadastrados até meia-noite deste domingo (28), prazo final para entrega de documentos e correções na inscrição. Desse total, 3.891 possuem registro profissional válido no Brasil e 766 têm diplomas do exterior.

“A disposição destes médicos em participar do programa e atender nos municípios do interior e na periferia das grandes cidades é fundamental para conseguirmos melhorar o atendimento prestado à população”, avalia o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Apesar da possibilidade de correção de inconsistências e apresentação de documentos ao longo deste fim de semana, 7.278 médicos mantêm registros de CRM (Conselho Regional de Medicina) inválidos. Na última sexta-feira, este grupo chegava a 8.307.(Leia +)

Por Camila Rabelo, da Agência Saúde

Botox: toxina botulínica ameniza rugas e linhas de expressão

Tratamento é usado para rejuvenescer, principalmente, região dos olhos e testa

O que é o botox?

A toxina botulínica popularmente conhecida como botox é uma toxina produzida por uma bactéria chamada Clostridium botulinum. É a mesma bactéria causadora da doença botulismo, mas a toxina botulínica industrializada é purificada e usada em doses que não causam a doença. 

Como promove o efeito tensor sob a pele, o uso estético da toxina botulínica se dá em geral, principalmente para suavizar rugas e linhas de expressão na região da face. 

Os órgãos de vigilância sanitária determinam as possibilidades de utilização desta substância para diferentes situações em cada país. Aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 1992, o botox tornou-se a primeira toxina botulínica registrada no Brasil e, desde então, tem recebido um número progressivo de indicações estéticas e terapêuticas, como no uso do tratamento para a hiperidrose.(Leia +)

Fonte: Minha Vida

Você sabe se proteger das hepatites B e C?

Responda as perguntas e descubra como se prevenir dos tipos transmitidos pelo sangue

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente um terço da população mundial (dois bilhões de pessoas) está infectado pela doença. A cada ano, cerca de quatro milhões de indivíduos são infectados pela hepatite C e 130 a 170 milhões de pessoas desenvolvem a forma crônica, que aumenta o risco de cirrose ou câncer de fígado. 

No Brasil, existem cerca de 1,5 milhão de pessoas infectadas pela hepatite C, doença responsável por 70% das hepatites crônicas e 40% dos casos de cirrose. Para diminuir esse número, o Ministério da Saúde anunciou que em breve serão distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) o Telaprevir e o Boceprevir, dois modernos medicamentos contra o tipo C.(Leia +)

Por Letícia Gonçalves - Minha Vida

ONCOLOGIA - MS investirá R$ 23,6 milhões para qualificar exames de citopatologia

Recurso adicional será repassado como incentivo aos laboratórios que atendam aos critérios de aprimoramento dos serviços

Melhorar a qualidade de análises laboratoriais e incentivar a expansão da oferta do exame preventivo de câncer do colo do útero na faixa dos 25 a 64 anos. Esses são os principais focos da medida adotada pelo Ministério da Saúde, publicada na portaria que institui a Qualificação Nacional em Citopatologia (QualiCito). O incentivo para o custeio da QualiCito prevê o aumento do valor do exame citopatológico em 5%. Além disso, esses exames, quando realizados na faixa etária de 25 a 64 anos – para câncer de colo do útero - terão valor adicional de 10%.

Outro incentivo financeiro previsto é o controle da qualidade dos exames. Para isso, o Ministério da Saúde investirá, em 2014, cerca de R$ 24 milhões. No ano passado, também foram investidos R$ 72,6 milhões para a realização de exames citopatológicos. Desde 2010, o Ministério da Saúde já investiu R$ 223,5 milhões nessa ação.

Em 2012, 10,9 milhões de exames citopatológicos foram realizados no âmbito do SUS, sendo 8,5 milhões na faixa prioritária (25 a 64 anos). Do total de exames realizados, 77% foram realizados na faixa etária prioritária, que representa 68,3% do público alvo, ao considerarmos todas as mulheres entre 25 e 64 anos que façam um exame a cada três anos. Esta é uma condição de rastreamento após dois exames normais.(Leia +)

Por Ubirajara Rodrigues, da Agência Saúde

MAIS MÉDICOS - Estabelecidas regras para novos Cursos de Medicina

Entre os critérios, as universidades devem ofertar mais do cinco leitos disponíveis por aluno, no mínimo três programas de residência médica e estrutura de urgência e emergência

O Ministério da Educação (MEC) instituiu nesta terça-feira (23) a Política Nacional de Expansão das Escolas Médicas das Instituições Federais de Educação Superior, no âmbito do Programa Mais Médicos. A proposta, publicada em portaria no Diário Oficial da União, estabelece as regras para a criação de novos cursos de graduação em Medicina e para a expansão no número de vagas em cursos de graduação já existentes.

Em coletiva à imprensa, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, apresentou os critérios definidos pelo MEC para a expansão de vagas de graduação em medicina. A partir de agora, as universidades públicas e privadas só poderão ofertar vagas caso tenham número de leitos disponíveis por aluno maior ou igual a cinco; número de alunos por equipe de atenção básica menor ou igual a três; existência de estrutura de urgência e emergência; existência de pelo menos três programas de residência médica nas especialidades fundamentais: clínica médica; cirurgia geral; ginecologia-obstetrícia; pediatria; medicina de família e comunidade.

“Nós vamos exigir o mesmo rigor para as universidades públicas e privadas. Só haverá expansão de vagas onde houver campo de prática. Nós temos segurança que os bons cursos de medicina têm todo interesse nessa modelagem”, salientou o ministro Mercadante. “Nós temos que combinar o interesse privado em formar médicos com a exigência do interesse público que quer formar bons médicos. Por isso, o campo de prática em medicina é inegociável”, completou.(Leia +)

Assessoria de Comunicação do MEC

Programa Mais Médicos conta com 2.552 municípios inscritos

Número representa 45,8% das cidades brasileiras, com maior concentração na região Nordeste. As inscrições seguem abertas até 00h desta quinta-feira, 25 de julho

O Programa Mais Médicos registrou 2.552 municípios inscritos até esta quarta-feira (24), o equivalente a 45,8% das cidades brasileiras. Do total que aderiu à iniciativa, 887 (34%) estão em regiões de maior vulnerabilidade social e, por isso, consideradas prioritárias. As inscrições seguem abertas até 00h de amanhã, 25 de julho, e podem ser feitas pelo site www.saude.gov.br.

Lançada pela presidenta da República Dilma Rousseff no dia 8 de julho, a iniciativa levará mais médicos às regiões carentes, sobretudo nos municípios do interior e na periferia das grandes cidades. Todos os municípios do país podem participar, indicando as unidades básicas de saúde de suas regiões em que há falta de médicos.

Dos 2.552 cidades inscritas, 34% (867) estão na região Nordeste. O Sudeste contou com 652 municípios participantes e o Sul, 620. Norte e Centro-Oeste registraram 207 e 206, respectivamente.(Leia +)

Por Bárbara Semerene, da Agência Saúde

Dra. Aline Aparecida Agostini Argolo

CRM-MT 6562
Endocrinologia e Mebologia
Adulto e Pediátrica
  • Obesidade
  • Diabetes
  • Doenças da tireóide
  • Colesterol e triglicérides altos
  • Doenças da glândula suprarrenal
  • Osteoporose e outras doenças ósseas
  • Problema de crescimento
  • Distúrbios de crescimento
  • Distúrbios da puberdade
  • Tumores da glândula hipófise e outras desordens hormonais e metabólicas.
Local de Atendimento:
Av. Tancredo Neves, 1187-W - Jd. do Lago
Fone: (65) 3326-4956 / 8479-8538
Tangará da Serra - MT

Conheça 09 benefícios do Pilates

Método trabalha corpo e mente simultaneamente

Motivos para escolher o Pilates não faltam: a atividade melhora o desempenho em corridas, combate dores e auxilia na prevenção de fraturas osteoporóticas. Segundo a professora de pilates Cristina Abrami, fundadora e vice-presidente da Aliança Brasileira de Pilates (Abrapi), o método tem como princípios a respiração completa, o acionamento do centro de força (músculos abdominais), a precisão, o controle, a fluidez e a concentração. O Minha Vida conversou com especialistas para conhecer melhor as diversas áreas de atuação do Pilates. Confira:

Combate o estresse

"A série, criada pelo alemão Joseph Pilates, contempla uma ordem específica de exercícios que obedece a um ritmo respiratório e que exige concentração", aponta a professora Cristina Abrami. Por isso, ao longo do curso, os praticantes adquirem um poder maior de controle sobre o corpo, o que possibilita lidar melhor com situações de estresse, ansiedade e nervosismo.

Ameniza dores

O Pilates é muito recomendado para pessoas com dores, principalmente nas costas. "Os exercícios promovem o realinhamento da coluna e o fortalecimento da musculatura abdominal, fazendo com que naturalmente deixemos de forçar as costas ao realizarmos esforços físicos", esclarece a fisioterapeuta Maitê Molica Ferrari, da clínica Acquaterapia. Além disso, os exercícios de fortalecimento ealongamento direcionados para partes específicas do corpo também contribuem para a reabilitação de diversas patologias. O método só não é indicado para pacientes com problemas em estágio avançado.(Leia +)

Por Laura Tavares - Minha vida

Médicos de MT paralisam nesta terça-feira, dia 23

A classe médica de Mato Grosso paralisará as atividades no próximo dia 23. A medida integra calendário nacional da categoria que lançou o Movimento Médicos pela Saúde, em busca de mais investimentos do governo e garantia de condições para cuidar adequadamente da população. Também haverá paralisação nos dias 30 e 31 de julho.

A decisão ocorreu durante reunião entre entidades médicas e profissionais no último dia 16, na sede do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT). Atendimentos de urgência e emergência, bem como escalas de plantão, devem ser mantidos.

As paralisações também são um protesto contra as propostas do governo federal em importar médicos com diplomas estrangeiros sem a devida revalidação e contra os vetos da presidente Dilma Rouseff na Lei de Regulamentação da Medicina, conhecida como Lei do Ato Médico.

“São medidas arbitrárias, que demonstram total desrespeito com os médicos brasileiros e também com a população. A nossa classe está unida e vai lutar para reverter esse quadro. Nosso maior objetivo é garantir que todo cidadão brasileiro tenha o seu direito de receber um atendimento digno, de qualidade e por profissionais capacitados”, destacou a presidente do CRM-MT, Dalva Alves das Neves

As ações são organizadas pelo CRM-MT, Sindicato dos Médicos de Mato Grosso (Sindimed-MT), Associação Médica (AMMT) e Academia de Medicina. No Brasil, o calendário nacional é coordenado pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam), pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), além das faculdades.

Fonte: Redação CRM-MT

Saúde investirá R$ 560 milhões em hospitais universitários

Os recursos beneficiaram 45 hospitais vinculados às instituições de ensino superior do MEC e são destinados ao custeio, obras e compra de equipamentos

O Ministério da Saúde vai investir este ano R$ 560 milhões no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários (Rehuf), desenvolvido e financiado em parceria com o Ministério da Educação. De imediato, serão repassados R$ 100 milhões referente à primeira parcela desse total. O recurso, disponibilizado por meio da Portaria 1464/2013, é destinado ao custeio de atividades assistenciais e de ensino (R$ 460 milhões), obras, reformas e a compra de equipamentos (R$ 100 milhões), para a melhoria da infraestrutura dessas instituições. Considerando a previsão de investimento, entre 2010 - quando o programa foi instituído -, até o final deste ano, os valores chegam a R$ 1,95 bilhão.

De 2010 a 2012, foram repassados R$ 1,39 bilhão no Rehuf. O maior volume de recursos (65%) foi destinado ao custeio das unidades, R$ 904,4 milhões. Outros R$ 488,1 milhões contribuíram para a compra de novos equipamentos, reforma ou ampliação. “Esses recursos visam não somente garantir a assistência, mas também qualificar a infraestrutura dos serviços para que os médicos e demais profissionais de saúde possam exercer suas atividades”, disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.(Leia +)

Por Regina Xeyla, da Agência Saúde – Ascom/MS

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA - Saúde aumenta recursos para melhorar serviços do SAMU

O investimento para ampliação e construção de Centrais de Regulação de Urgências está sendo dobrado. A medida tem como objetivo garantir atendimento rápido e eficaz à população

A rede de assistência aos usuários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) está recebendo um reforço para melhorar o atendimento à população. O Ministério da Saúde vai aumentar os recursos para custeio e dobrar os valores para ampliação ou construção de Centrais de Regulação das Urgências. A verba de custeio do serviço, que é repassada atualmente pelo Ministério da Saúde a estados e municípios, terá um acréscimo de 19%, passando de R$ 744 milhões ao ano para R$ 884,2 milhões, um incremento de R$ 140,2 milhões para toda a rede. Já os valores para investimento nas Centrais de Regulação de Urgências serão reajustados em mais de 100%. 

As Unidades de Suporte Avançado (USA) e de SAMU Aéreo habilitadas (com equipes preparadas para procedimentos de alta complexidade) terão um acréscimo de 40%. Os recursos passam de R$ 27.500,00 para R$ 38.500,00 por mês. Já os valores das mesmas unidades qualificadas (que atenderam os requisitos exigidos pelo Ministério para comprovação da melhoria dos serviços) saltam de R$ 45.925,00 para 48.221,00/mês.

As Unidades de Suporte Básico (USB), que atualmente recebem de R$ 12.500,00 por mês, receberão R$ 13.125,00 e as USB qualificadas passam R$ 20.875,00 para R$ 21.919,00/mês. As UBS são unidades que atendem a procedimentos de menor complexidade. As Centrais de Regulação de Urgências terão um aumento de 40% para manutenção dos serviços.(Leia +)

Por Tatiana Alarcon, da Agência Saúde/MS

Ministério da Saúde reforça checagem de documentos de inscritos no Mais Médicos

Residentes e participantes do Provab terão de declarar, no ato da inscrição, que desistirão destes programas para participar do Mais Médicos

O Ministério da Saúde vai reforçar a análise da documentação dos médicos no sistema de inscrição do programa Mais Médicos. A partir desta sexta-feira (19), médicos que hoje ocupam vagas de residência e participantes do Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab) terão de declarar, já no ato da inscrição, estarem dispostos a desistir destes postos para aderir aos Mais Médicos.

“O primeiro interesse que tem que ser atendido é o interesse da população, sobretudo aquela que não tem médicos perto de onde vive e trabalha. Estamos estimulando os médicos brasileiros a participar do programa, mas não queremos ninguém que esteja fazendo qualquer tipo de sabotagem para atrasar um programa que visa oferecer médicos para a população”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Ao homologar sua participação no programa, o médico terá de entregar declaração impressa de seu desligamento da residência médica ou do Provab, emitido pela coordenação dos programas. A medida visa certificar a real intenção dos profissionais a participar do Mais Médicos.(Leia +)

Por Bárbara Semerene, da Agência Saúde.

Abandone 10 hábitos que favorecem a má digestão

Comer rápido, fumar e usar cintos apertados são alguns vilões do estômago

Azia, gases, sensação de estômago pesado e sonolência são sintomas que já acometeram todos nós pelo menos uma vez. Apesar de serem comuns a pessoas com condições crônicas, como a doença do refluxo gastroesofágico, esses males podem surgir em qualquer um que exagerou no prato ou não tomou os devidos cuidados na refeição - mesmo aqueles que seguem uma dieta equilibrada. Confira os conselhos dos especialistas e fique atento aos deslizes que podem causar má digestão:

Comer muito rápido

Ao comer rapidamente, cometemos dois erros cruciais - não mastigamos direito e não damos tempo suficiente ao nosso cérebro para perceber que estamos comendo. "Quando começamos a mastigar, nosso organismo libera uma enzima que facilita a quebra do alimento, iniciando o processo de digestão", explica o nutrólogo Fernando Bahdur Chueire, da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). Desta maneira, é fundamental triturar bem os alimentos antes de engolir, para que a enzima tenha tempo de agir, facilitando o trabalho do estômago e evitando que o órgão fique sobrecarregado - fator que deixaria a digestão mais lenta. Além disso, cada refeição deve ter duração de pelo menos 20 minutos. "Esse é o tempo médio que leva para o intestino liberar o hormônio que ativa o centro de saciedade do cérebro depois que começamos a nos alimentar", explica. Almoçar em menos tempo que isso não irá proporcionar a sensação de saciedade, fazendo que com a ingestão seja exagerada, dificultando a digestão e favorecendo problemas como refluxo. "Comer demais também torna o processo de digestão mais demorado, causando sensação de mal estar", alerta o nutrólogo. De acordo com o profissional, o ideal é comer até sentir-se bem e não até ficar "cheio".(Leia +)

POR CAROLINA GONÇALVES - Redação Minha Vida

IMUNIZAÇÃO - Ministério da Saúde amplia acesso à vacina contra hepatite B

A partir de agora, pessoas com até 49 anos podem receber a vacina gratuitamente em qualquer posto da rede pública. A medida deve beneficiar cerca 150 milhões de brasileiros

O Ministério da Saúde ampliou a faixa etária de vacinação contra a hepatite B. A partir de agora, homens e mulheres com até 49 anos poderão receber a vacina gratuitamente em qualquer posto de saúde. A medida beneficia um público-alvo de 150 milhões de pessoas - 75,6% da população total do Brasil. No ano passado, a idade limite para vacinação gratuita era até 29 anos. A vacina é a medida de prevenção mais segura e eficaz contra a hepatite B e hepatite D.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, explica que a proteção é garantida quando a pessoa recebe três doses da vacina. A segunda dose deve ser aplicada 30 dias após a primeira e, a terceira, seis meses após a primeira. “Todas as crianças recém-nascidas são vacinadas, mas estamos expandindo a faixa etária a outros grupos visando à eliminação da doença no futuro. Ela é segura, feita com engenharia genética e não tem contraindicação”, ressaltou o secretário.

A vacina também é oferecida aos grupos mais expostos à doença, independentemente da faixa etária, como gestantes, manicures, pedicures, podólogos, caminhoneiros, bombeiros, policiais civis, militares, rodoviários, doadores de sangue, profissionais do sexo e coletores de lixo domiciliar e hospitalar. Em 2012, mais de 15,7 milhões de pessoas foram protegidas contra a hepatite B.(Leia +)

Por Valéria Amaral, da Agência Saúde.

Aproveite 10 alimentos que ajudam a controlar a gastrite

Opções sem gorduras e ácidos auxiliam na recuperação do estômago

Você já sentiu queimação no estômago ou já se pegou aos resmungos por causa daquela dor incômoda no alto da barriga? Esses são alguns dos sintomas da gastrite, que também incluem enjoos, acompanhados ou não de vômito. Inflamação na mucosa do estômago, a gastrite atinge muitas pessoas que, ao receberem o diagnóstico, precisam adotar algumas restrições alimentares - e com razão: segundo Carla Fiorillo, nutricionista da Equillibrium Consultoria, quem tem a inflamação deve evitar alimentos ácidos e gordurosos, entre eles frutas ácidas (mexerica, laranja exceto lima, abacaxi etc.), vinagre, café e frituras. 

No entanto, nem só de restrições na dieta vive quem tem gastrite. Veja quais hábitos são bem-vindos e quais alimentos não agridem o seu sistema digestivo e ainda controlam a doença - alguns, inclusive, ajudam a recuperar a ferida na parede do estômago.(Leia +)

Por Ana Paula de Araújo - Minha Vida

21 exercícios de neuróbica que deixam o cérebro afiado

Quem foi que disse que o cérebro não precisa de exercícios para se manter ativo? Se o nosso corpo necessita de malhação para ficar sempre em ordem e cheio de disposição, por que com a mente seria diferente? 

O cérebro também vai perdendo sua capacidade produtiva ao longo dos anos e, se não for treinado com exercícios, pode falhar. O neurocientista norte-americano, Larry Katz, autor do livro Mantenha seu Cérebro Vivo, criou o que é chamado de neuróbica, ou seja, uma ginástica específica para o cérebro. 

A teoria de Katz é baseada no argumento de que, tal como o corpo, para se desenvolver de forma equilibrada e plena, a mente também precisa ser treinada, estimulada e desenvolvida. É comum não prestamos atenção naquilo que fazemos de forma mecânica, por isso costumamos esquecer das ações que executamos pouco tempo depois.

"O objetivo da neuróbica é estimular os cinco sentidos por meio de exercícios, fazendo com que você preste mais atenção nas suas ações e então, melhore seu poder de concentração e a sua memória", explica a psicóloga especialista em análise comportamental e cognitiva, Mariuza Pregnolato. "Não se trata de acrescentar novas atividades à sua rotina, mas de fazer de forma diferente o que é realizado diariamente".

Para o neurologista da Unifesp Ivan Okamoto, tais exercícios ajudam a desenvolver habilidades motoras e mentais que não costumamos ter em nosso dia a dia, porém, tais habilidades em nada se relacionam com a memória.(Leia +)

Fonte: Minha Vida

MAIS MÉDICOS - Ministério da Saúde aumenta valor da bolsa dos médicos do Provab

Bolsa passará de R$ 8 mil para R$ 10 mil por mês. A medida beneficia 3.568 profissionais que atuam por meio da iniciativa em cidades do interior e periferias dos grandes centros

O Ministério da Saúde aumentou o valor da bolsa mensal paga aos médicos do Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab), que leva profissionais para atuarem na atenção básica das regiões onde faltam profissionais, como no interior e periferias dos grandes centros. O valor passará dos atuais R$ 8 mil mensais para R$ 10 mil. O reajuste começa a valer a partir de setembro.

“Esse é mais um estímulo para que os médicos continuem neste programa, que garante a formação com acompanhamento da universidade e que levou quase 4 mil profissionais para municípios do interior e periferias das grandes cidades. O Provab, como parte do Mais Médicos, já é o maior programa de interiorização desses profissionais que o país já teve. Queremos manter essa iniciativa, para melhorar a formação dos médicos com sua atuação mais perto da população e fazer com que o atendimento no interior e periferias seja de maior qualidade”, destaca o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.(Leia +)

Fonte: Portal da Saúde

INVESTIMENTO - Ministério da Saúde destina mais R$ 600 mi para Atenção Básica

Recursos se referem ao aumento do Piso de Atenção Básica Fixo, que é usado para o pagamento de consultas, pequenas cirurgias, agentes comunitários de saúde e outras ações

A presidenta da República, Dilma Rousseff, anunciou nesta quarta-feira (10), durante a XVI Marcha dos Prefeitos, realizada até esta quinta-feira (11), em Brasília, o aumento de R$ 600 milhões do Piso de Atenção Básica (PAB) Fixo para os municípios. Com o recurso, os gestores municipais pagam todos os procedimentos pertinentes à atenção básica de saúde ambulatorial, como consultas, pequenas cirurgias, atividades dos agentes comunitários de saúde, entre outras ações. A medida é mais uma das ações do Ministério da Saúde para reforçar a qualidade dos serviços prestados nos municípios.

“Primeiro, eu quero afirmar para vocês mais uma vez que o governo federal é parceiro para enfrentar problemas e encontrar soluções. É nesse quadro de parceria, de busca de soluções e de sensibilidade para a situação que muitas prefeituras vivem que eu quero fazer alguns anúncios. Nós sabemos que saúde e educação é investimento, mas é custeio. Por isso, o governo federal vai transferir R$ 3 bilhões como ajuda aos municípios”, disse a presidenta.(Leia +)

Por Zeca Moreira, da Agência Saúde – ASCOM/MS

VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL - Cursos de Medicina terão mais vagas e segundo ciclo

Ministério da Educação projeta abrir 11.447 novos postos de graduação até 2017; curso terá nova etapa para qualificar a formação dos profissionais

Os alunos que ingressarem nos cursos de Medicina, tanto em faculdades públicas quanto privadas, a partir de janeiro de 2015 terão novo período de formação, com a inclusão de um ciclo de dois anos para atuação na atenção básica e nos serviços de urgência e emergência da rede pública de saúde. 

A mudança está prevista na medida provisória (MP) que institui o programa Mais Médicos, lançado nesta segunda-feira (8) pela presidenta Dilma Rousseff e pelos ministros da Educação, Aloizio Mercadante, e da Saúde, Alexandre Padilha. Caberá ao Conselho Nacional de Educação regulamentar a decisão e definir as diretrizes do segundo ciclo.

“O pacto que hoje estamos consolidando, talvez seja o mais essencial. Trata-se de um pacto pela vida, pela saúde de todos os brasileiros, em especial dos mais pobres, daqueles que mais precisam. (...)O Brasil precisa de médicos para diferentes atendimentos, exigências e circunstâncias, precisa de médicos que atuam na atenção básica, que se dediquem a medicina que cura e que previne”, destaca a presidenta Dilma Rousseff.(Leia +)

Assessorias de Comunicação dos Ministérios da Saúde e da Educação

HumanizaSUS: humanizando para melhorar o serviço prestado ao usuário

Na primeira semana de julho é comemorado o Dia do Hospital (2). Todo cidadão já foi ou pode precisar de ir a um hospital em algum momento e, exceto em casos de nascimento e prevenção, só recorremos aos estabelecimentos de saúde quando sentimos dor ou desconforto e estamos precisando de cuidados médicos. Para que esse momento não seja ainda mais difícil, o Ministério da Saúde está humanizando oSistema Único de Saúde (SUS). Humanizando para melhorar o serviço prestado ao usuário.

O Programa HumanizaSUS aposta na produção de novos modos de cuidar e novas formas de organizar o trabalho por meio da participação colaborativa de gestores, profissionais e usuários do SUS. A Política Nacional de Humanização incentiva a comunicação entre os trabalhados e a população para melhorar a convivência dentro do hospital e, consequentemente, melhorar o atendimento. Afinal, essas mudanças são construídas não por uma pessoa ou grupo isolado, mas de forma coletiva e compartilhada.

O Hospital Sofia Feldman, um dos mais respeitados do país, implantou a política do HumanizaSUS e, segundo o diretor Ivo de Oliveira, o programa deu certo. “A humanização se faz entre os usuários e os prestadores de serviço, sejam eles médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais. Quando nós conseguimos manter essa relação de igual para igual, como cidadãos, a gente consegue a humanização e consegue perenizar essa política governamental. Não se faz humanização sem conquistar os trabalhadores. Precisamos de um trabalhador cidadão, ciente dos seus direitos e dos seus deveres. O HumanizaSUS faz com que nós sejamos respeitados pela nossa comunidade”, afirma.

O programa está completando 10 anos e além de acreditar na força das tarefas coletivas, enfrenta as relações de poder que muitas vezes produzem atitudes e práticas desumanizadoras que inibem a autonomia e a parceria dos profissionais de saúde no ambiente de trabalho. Incluí-los na gestão é fundamental para que, no dia a dia, eles reinventem e sejam agentes ativos das mudanças no serviço de saúde. Incluir usuários e suas redes sócio-familiares nos processos de cuidado é um poderoso recurso para ampliar a participação e a colaboração da população, tanto nos estabelecimentos de saúde quanto no autocuidado.

“Nós temos uma prática diária na nossa maternidade, onde perguntamos para as mães e para os acompanhantes o que eles acham do serviço e da atenção que foi oferecida pelo hospital e isso ajuda bastante a termos um retorno do cidadão. Em um processo de humanização nós temos que destruir os muros construídos há muito tempo e construir pontes através dessa política. Uma coisa simples que fizemos aqui no hospital e que deu muito certo, foi quanto aos horários de visitas rígidos. Quando você derruba isso e tem um horário de visita ampliado, você também está atendendo melhor o cidadão. Talvez alguma coisa que não damos muita importância é primordial para o usuário e só vamos conseguir saber perguntando, conversando”, exemplifica o diretor.

Método – Através de cursos e oficinas de formação/intervenção e a partir da discussão dos processos de trabalho, as diretrizes e os dispositivos da PNH são vivenciados e reinventados no cotidiano dos serviços de saúde. Em todo o Brasil, os trabalhadores são formados técnica e politicamente e reconhecidos como multiplicadores e apoiadores da PNH, pois são os construtores de novas realidades em saúde e poderão se tornar os futuros formadores da PNH em suas localidades.

§ Os gestores, trabalhadores ou usuários do SUS que queiram implantar o HumanizaSUS em algum estabelecimento de saúde devem entrar em contato com a Rede Humaniza SUS.

§ A PNH investe em materiais de formação, como cartilhas, documento base e outras publicações disponíveis na Biblioteca Virtual em Saúde. Acesse!

Fonte: Camilla Terra / Blog da Saúde

SUS oferta Tamiflu para pacientes das redes pública e privada

A recomendação do Ministério da Saúde é para ofertar o medicamento a qualquer paciente que tenha a receita médica

O Ministério da Saúde (MS) está orientando os estados e os municípios que facilite o acesso ao Oseltamivir (Tamiflu) para pacientes com receitas médicas emitidas tanto por profissionais dos serviços de saúde públicos como privados. A recomendação é para disponibilizar o antiviral nas unidades de saúde da rede pública.

Durante videoconferência sobre ações para enfrentamento da influenza - realizada pelo Ministério em conjunto com as secretarias estaduais e municipais de São Paulo e Rio de Janeiro, - o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, informou que existe estoque suficiente de Tamiflu. Padilha lembrou que neste ano o Ministério da Saúde já repassou mais de 1,9 milhão de tratamentos da gripe para todas as unidades da federação.(Leia +)

Por Carlos Américo, da Agência Saúde- Ascom/MS

VIOLÊNCIA - SUS vai registrar casos de agressão por homofobia

Ministério da Saúde já notifica casos de violência contra mulheres, idosos, crianças e adolescentes. Dados são importantes para reformulação de políticas publicas.

O Ministério da Saúde vai tornar obrigatório o registro dos casos de violência por homofobia atendidos na rede pública de saúde. A iniciativa será aplicada a partir de agosto aos estados de Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, em janeiro do próximo ano, será estendida ao restante do país. O anúncio da obrigatoriedade ocorreu nesta quinta-feira (27) durante o lançamento do Sistema Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento à Violência contra Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (Sistema Nacional LGBT), pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Na ocasião também foi apresentado Relatório sobre Violência Homofóbica no Brasil em 2012.

O ministro da Saúde Alexandre Padilha, considera que a obrigatoriedade da notificação será uma ferramenta importante de promoção e de garantia de direitos à comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Segundo ele, o preenchimento de um formulário pelo profissional que realizou o atendimento vai tornar visível a dimensão real do problema da homofobia. “É fundamental conhecer a magnitude das violências que acometem esta população, identificando quem são as vítimas, quais os principais tipos de violências, locais de ocorrência, a motivação, a oportunidade do uso do nome social, dentre outras informações”, afirmou o ministro. Ele explicou que este conhecimento vai servir para a formulação e implementação de políticas públicas de enfretamento às violências homofóbicas e políticas públicas de atenção e proteção à população LGBT.(Leia +)

Por Fabiane Schmidt, da Agência Saúde.

PREVENÇÃO DO CÂNCER - Ministério da Saúde incorpora vacina contra HPV ao SUS

Meninas de 10 e 11 anos serão protegidas contra quatro variáveis do vírus, que são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo do útero; vacina será produzida por meio de parceria entre Butantan e Merck

 O Ministério da Saúde anunciou nesta segunda-feira (1) a incorporação ao Sistema Único de Saúde (SUS) da vacina contra o papilomavírus (HPV), usada na prevenção de câncer de colo do útero. Já em 2014, meninas de 10 e 11 anos receberão as três doses necessárias para a imunização, mobilizando investimentos federais de R$ 360,7 milhões na aquisição de 12 milhões de doses. 

Confira a apresentação 

 É a primeira vez que a população terá acesso gratuito a uma vacina que protege contra câncer. A meta é vacinar 80% do público-alvo, que atualmente soma 3,3 milhões de pessoas. O vírus HPV é responsável por 95% dos casos de câncer de colo do útero, segundo que mais atinge mulheres, atrás apenas do mamário.(Leia +)

Por Valéria Amaral, Sílvia Cavichioli e Daniela Martins, da Agência Saúde.