DOENÇAS DO CORAÇÃO - Conhecer os sintomas do infarto é essencial para evitar o pior

Dor no peito, náuseas e formigamento estão entre os sinais que seu corpo dá

Dores no peito, formigamento no braço e aperto na garganta são alguns dos sintomas de um dos problemas de saúde mais comuns no Brasil, hoje em dia: cerca de 300 mil pessoas sofrem um infarto, anualmente, segundo dados da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. O problema surge quando existe uma artéria contraída ou obstruída, parcial ou totalmente. Como o músculo cardíaco requer um constante abastecimento de sangue rico em oxigênio para se nutrir, as artérias coronarianas proporcionam ao coração essa fonte de abastecimento. Se algo dá errado, o infarto (ou ataque do coração) acontece. 

Os riscos são grandes e aproximadamente 50% dos casos terminam em morte súbita. Conhecer os sintomas de um infarto e procurar ajuda é muito importante para garantir sucesso no tratamento e evitar a morte súbita afirma a cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Denise Hachul.(Leia +)

Fonte: Minha Vida

Cansaço excessivo pode ser um sinal de doenças

Desequilíbrios hormonais e deficiência nutricional podem estar por trás do sintoma

Ela pode chegar de mansinho, se instalando vagarosamente, uma sensação de fadiga, moleza e falta energia, até mesmo para executar as pequenas atividades cotidianas. Mas será que é isso normal? Com a correria do dia a dia muitos atribuem essa sensação de cansaço extremo a noites mal dormidas e ao estresse, situações de desânimo que geram um impacto profundo nas atividades sociais e na produtividade profissional, tornando-se hoje uma das principais queixas dos consultórios médicos. 

A severidade dessa sensação de cansaço e fadiga pode e deve ser avaliada por uma escala de sinais, pois uma noite mal dormida, horas enfrentando o trânsito das grandes capitais ou ainda viver em eterno estado de tensão e estresse podem sugar sua energia. No entanto, existem outros fatores que podem e devem ser considerados, como os desequilíbrios clínicos decorrentes de carências nutricionais, desequilíbrios hormonais, infecções e doenças autoimunes. Vamos falar sobre os principais fatores que podem causar o cansaço excessivo.(Leia +)

Fonte: Dr. Roberto Navarro - Nutrologia

VIOLÊNCIA - SUS vai registrar casos de agressão por homofobia

Ministério da Saúde já notifica casos de violência contra mulheres, idosos, crianças e adolescentes. Dados são importantes para reformulação de políticas publicas.

O Ministério da Saúde vai tornar obrigatório o registro dos casos de violência por homofobia atendidos na rede pública de saúde. A iniciativa será aplicada a partir de agosto aos estados de Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e, em janeiro do próximo ano, será estendida ao restante do país. O anúncio da obrigatoriedade ocorreu nesta quinta-feira (27) durante o lançamento do Sistema Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento à Violência contra Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (Sistema Nacional LGBT), pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Na ocasião também foi apresentado Relatório sobre Violência Homofóbica no Brasil em 2012.

O ministro da Saúde Alexandre Padilha, considera que a obrigatoriedade da notificação será uma ferramenta importante de promoção e de garantia de direitos à comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Segundo ele, o preenchimento de um formulário pelo profissional que realizou o atendimento vai tornar visível a dimensão real do problema da homofobia. “É fundamental conhecer a magnitude das violências que acometem esta população, identificando quem são as vítimas, quais os principais tipos de violências, locais de ocorrência, a motivação, a oportunidade do uso do nome social, dentre outras informações”, afirmou o ministro. Ele explicou que este conhecimento vai servir para a formulação e implementação de políticas públicas de enfretamento às violências homofóbicas e políticas públicas de atenção e proteção à população LGBT.(Leia +)

Fonte: Por Fabiane Schmidt, da Agência Saúde.

Impotência Sexual foi assunto do quadro “Saúde” no programa O Povo no Rádio

O Médico PhD Dr. José Gomes, que atua na equipe do Hospital Santa Ângela em Tangará da Serra esteve na manhã desta 4ª feira (26) no programa O Povo no Rádio, falando sobre o tema. Segundo ele, o assunto está, cada vez mais, deixando de ser ‘tabu’ na vida das pessoas. “As coisas caminham de modo muito mais descontraído nos últimos anos. Quando falamos de disfunção erétil, estamos falando de um conjunto de doenças que vão desde o retardo ou ausência da ejaculação, a ejaculação precoce, a ausência de libido até a impotência sexual. Estes assuntos são discutidos cada vez mais abertamente e sabemos que isto faz parte de uma relação sexual saudável e interfere diretamente em uma relação sexual saudável”, explicou.

Segundo o especialista, a impotência sexual pode ser causada por doenças diversas. “São doenças de ordem neurogênica, vascular, endócrina e psicogênica. Hoje contamos com ajuda valiosa dos psicólogos no tratamento de casais. Com esta ajuda, nós conseguimos reduzir em grande parte as patologias sexuais, os distúrbios e as disfunções eréteis por conta da ajuda do psicólogo. Mas temos patologias que precisam da interferência do neurologista, do vascular e do endocrinologista. Estas doenças, cada uma delas isoladamente tem suas peculiaridades”, destacou. Os problemas mais freqüentes foram abordados pelo médico no programa.

Ejaculação precoce – De acordo com o Dr. José Gomes, esta é uma patologia da “atualidade”. Atinge principalmente jovens no seu início de carreira sexual e familiar. O médico lembrou que os jovens estão assumindo cada vez mais cedo responsabilidades de grande monta e isto faz com que estes problemas aflorem no momento da relação sexual. “90% dos casos de ejaculação muito rápida ou retardada, estão relacionadas diretamente com o modo de vida do paciente: estresse e ansiedade. Temos entre a população jovem, uma quantidade imensa de jovens acometidos de ansiedade. A simples ida ao médico urologista pode com um tratamento muito leve melhorar a qualidade da vida sexual deste jovem e a qualidade de vida geral dele”.

Redução da Libido – Segundo o médico, o problema da diminuição do interesse em ter relações sexuais acontece geralmente com casais de média idade, entre 35 e 50 anos, faixa etária em que se registra uma redução na produção hormonal, tanto masculina quanto feminina. O simples ajuste destes níveis hormonais é suficiente para que os casais possam voltar a ter uma relação sexual de qualidade. “Precisamos entender também que nesta faixa etária uma série de doenças podem acometer tanto o homem quanto a mulher, e algumas situações específicas de vida interferem também neste processo: o uso de fumo, drogas ou álcool por um dos parceiros faz com que a qualidade da relação sexual seja prejudicada e isto acaba reduzindo a libido. É um ciclo: usa a droga, não tem relação satisfatória, dorme pouco, diminui a atração um pelo outro e muitas vezes leva à dissolução do casamento. Esta redução da libido deve ser tratada, logicamente saneando-se doenças como diabete, hipertensão arterial ou outras”, disse o médico.

Reversão hormonal – Dr. José Gomes explicou também que níveis mais baixos de hormônios femininos fazem com que a mulher tenha diminuído o seu apetite sexual. Segundo ele, nestes casos, o tratamento é fácil e simples de ser feito. “Deve ser feito com base no ajuste hormonal. Não é uma doença. Faz parte do que chamamos ciclo biológico. Começamos a envelhecer quando nascemos e precisamos respeitar este ciclo e fazer os ajustes que ele requer. A visita ao ginecologista pode resolver isto”, destacou.

Impotência Sexual – Acontece quando o homem não consegue ter ereção suficiente para realizar o ato sexual. “Isto é algo extremamente decepcionante para o parceiro e frustrante para a parceira. Pode ser neurogênica, me preocupa hoje bastante os casos de acidentes quando acontece lesão de medula o que acaba geralmente levar os pacientes à tetraplegia ou quadriplegia e acabam evoluindo para a impotência sexual. Temos os casos causados por hipertensão arterial, por diabetes severa que podem evoluir para distúrbios vasculares. Temos uma doença chamada hoje de doença de peyronie, que são placas que aparecem no corpo do pênis e que causam tortuosidade do pênis, que muitas vezes são dolorosas e acabam impedindo a ereção. Esta doença pode progredir e em alguns casos acaba sendo necessário o tratamento cirúrgico. Estes pacientes devem efetivamente procurar o urologista”.

Impotência Sexual Seqüelar – São os casos que resultam de cirurgias prostáticas. Segundo o médico, principalmente a prostectomia radical, tratamento utilizado para o câncer de próstata. Ele lembrou que nem toda cirurgia de próstata leva à impotência, mas a cirurgia de próstata feita inadequadamente pode levar o paciente à impotência sexual.

Tratamentos – O especialista explica que todas estas patologias podem ser tratadas diretamente. “Existem também os tratamentos secundários que visam basicamente corrigir a impotência sexual, ou seja: para a doença de peyronie pode ser feita cirurgia para corrigir a tortuosidade do pênis, a hipertensão e a diabete podem ser controladas e em alguns casos em que a doença avançou demais e não foi tratada podem ser usados medicamentos. Hoje as medicações mais comuns são as drogas chamadas ‘azuis’, temos injeções que se aplicam no próprio pênis que permitem ereções satisfatórias e por último pode-se considerar o tratamento cirúrgico com implante de próteses penianas”, explicou.

Próteses – Dr. José Gomes lembrou que o implante sempre foi visto pelo homem com muita reserva porque ele se sente ‘invadido’ na sua intimidade. Ele explica, no entanto, que houve um grande avanço depois que foi desenvolvida a prótese inflável. “É de qualidade excepcional, simulam com vantagens uma ereção perfeita. São próteses internas, acionadas por sistema hidráulico e quase sempre imperceptíveis. A cirurgia é relativamente simples, a recuperação é rápida e em torno de seis semanas o paciente já volta a ter uma vida sexual normal. Estas próteses têm garantia de vida. Ou seja, implantando aos 50, 60 anos, garante-se para o resto da vida uma condição para vida sexual adequada. Quero chamar a atenção para alguns anúncios como de correção de escape venoso ou alongamento peniano são cirurgias não regulamentadas e não garantem o que prometem. Os homens devem tomar cuidado quando se entusiasmarem com anúncios deste tipo”, destaca.

Dicas importantes – É preciso passar para o médico as informações sobre o que está acontecendo na vida pessoal para que ele possa orientar corretamente ou fazer os encaminhamentos necessários. O médico, Dr. José Gomes, que é Ph D em Urologia, destacou que os problemas não devem ser ignorados e que a vida sexual pode ser boa em qualquer idade. “Vida sexual não tem hora para começar nem para terminar. Deve acompanhar o indivíduo por toda a vida. Não ter sobrepeso, se alimentar corretamente, evitar gorduras, fazer exercícios físicos, ter uma relação fácil com seus parceiros, relação de boa conversa, tirar o estresse que conseguir detectar na sua vida e entender que algumas situações como a ansiedade, provocam estragos que não tem tamanho. Conseguindo sanear isto, terá não só uma vida saudável, mas uma vida sexual longa e garantida. Se você tem dificuldades patológicas, procure seu médico e fale a respeito. Se tem um distúrbio grave que precisa de tratamento cirúrgico, procure o urologista que ele vai resolver seu problema sem grande dificuldade. A vida é para ser vivida com toda sua intensidade”, finalizou.


Fonte: Redação RP

Tangará da Serra: Secretária confirma recebimento de pelo menos 50% de medicamentos que faltavam na Saúde

A Secretária Municipal de Saúde Helena Cavalini concedeu entrevista à Rádio Pioneira na tarde desta terça-feira para falar sobre a entrega de pelo menos 50% dos medicamentos que estavam faltando na Secretaria de Saúde.

Na semana passada a secretária foi até Cuiabá visitou o setor responsável pela distribuição dos medicamentos e cobrou os que estavam faltando na cidade. “A princípio fui com o pensamento que conseguiria pouca medicação em razão do que o Estado vem passando, mas pelo contrário, recebemos muitos medicamentos, inclusive os de alto custo”, disse a secretária.

Ela frisou que as profissionais da Farmácia de Alto Custo estão organizando os medicamentos para posteriormente fazer a entrega aos devidos pacientes que necessitam. A secretária considerou a ida à capital positiva e garantiu que todo mês irá até o setor para cobrar a entrega.

Entre os medicamentos que foram entregues, o Município recebeu ainda algumas latas de leite especiais. Uma ouvinte procurou a reportagem da Rádio Pioneira afirmando tinha duas latas de leite disponível para seu filho. No entanto quando chegou ao Posto Central apenas uma foi entregue..

Sobre esse assunto, a secretária afirmou ter conhecimento da situação e respondeu à reportagem que outra criança pode ter precisado da lata de leite e os profissionais fizeram e entrega.

Fonte: Redação RP

Educação sexual chega a 90% dos adolescentes

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar revela que os jovens estão recebendo mais informações sobre sexo e doenças sexualmente transmissíveis

Os jovens brasileiros estão recebendo mais informações em relação às formas de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez não planejada. É o que revela a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE 2012). O estudo do Ministério da Saúde, realizado em parceria com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e apoio do Ministério da Educação, mostra que 89,1% dos adolescentes receberam orientação sobre DST e AIDS e 82,9% informações de como evitar gravidez; 69,7% dos entrevistados também sabiam que era possível adquirir preservativos gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS).

O estudo também mostra que 28,7% dos jovens já iniciaram a vida sexual, 18,3% das meninas e mais que dobro dos meninos (40,1%). O uso do preservativo na ultima relação sexual esteve presente em 75,3% dos casos. A PeNSE 2012 ouviu cerca de 110 mil alunos do 9º ano do Ensino Fundamental em 2.842 escolas públicas e privadas, em todas as regiões brasileiras, incluindo as capitais e no Distrito Federal. Cerca de 90% dos estudantes tinham idade entre 13 e 15 anos. O lançamento da PeNSE ocorreu nesta quarta-feira (19), no Rio de Janeiro, e contou com a presença do secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, e da presidente do IBGE, Wasmália Bivar.(Leia +)

Por Fabiane Schmidt, da Agência Saúde - ASCOM/MS

COMPLEXO INDUSTRIAL - Brasil amplia produção de medicamentos biológicos

Ministério da Saúde inaugura modelo competitivo de parceria entre laboratórios públicos e privados para acelerar a produção nacional de 14 novos biológicos. Com eles, país passa a fabricar 25 produtos com a tecnologia de última geração

Novas 27 parcerias entre laboratórios públicos e privados, articuladas pelo Ministério da Saúde, vão resultar na produção nacional de 14 biológicos. Eles serão fabricados a partir de um novo modelo competitivo de Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), que envolve vários laboratórios para a manufatura de cada produto. O objetivo é gerar competição entre eles e estimulá-los a acelerar a transferência de tecnologia para alcançar a produção 100% nacional. Com as medidas, o país vai aumentar de 14 para 25 o número de biológicos produzidos nacionalmente. São produtos de última geração e de alto custo para o tratamento de câncer de mama, leucemia, artrite reumatoide, diabetes, oftalmológicos, além de um cicatrizante, um hormônio de crescimento e uma vacina alergênica. Os novos produtos representam atualmente um gasto de R$ 1,8 bilhão por ano nas compras públicas do Ministério da Saúde. A produção nacional deve gerar economia de R$ 225 milhões por ano.(Leia +)

Por Rhaiana Rondon e Daniela Martins, da Agência Saúde.

Novidades no tratamento da gordura localizada e da celulite

Criolipólise e lipocavitação destroem as células de gordura

O acúmulo localizado da gordura corporal está relacionado, principalmente, a fatores genéticos. Cada indivíduo nasce com maior ou menor número de células de gordura em determinadas regiões, como abdome, costas, quadris (culotes), flancos (popularmente conhecidos como pneus), região submentoniana (papinho), coxas e joelhos. 

Alguns fatores podem contribuir com o aumento de gordura localizada nessas regiões, como o ganho de peso. Se uma pessoa com acúmulo de células de gordura nos flancos vier a ganhar peso, certamente o pneuzinho ficará maior. Além desse fator, há a influência dos hormônios na distribuição da gordura. A testosterona, principal hormônio masculino, facilita o depósito de gordura no abdome, enquanto o estradiol, principal hormônio feminino, tem o mesmo efeito no quadril e nas coxas.(Leia +)

Escrito por Danilo Höfling - Endocrinologia

Sete frutas laxativas que combatem a prisão de ventre

Ameixa, abacaxi e figo têm substâncias que vão além das fibras para tratar o problema

Prisão de ventre é um problema comum e que causa diversos transtornos. De acordo com dados da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), 20% da população ocidental apresenta o problema. O mal é prevalente principalmente nas mulheres, tanto que rendeu a pesquisa Saúde Intestinal da Mulher (SIM), realizada pela FBG e a Danone Research em 2012. Duas em cada três mulheres têm problemas intestinais, inclusive a constipação. Isso atrapalha não só o organismo, mas também a parte emocional. Das mulheres entrevistadas, 69% acreditavam que o problema impactava em seu humor e 50% diziam sentir também cansaço e falta de concentração.

E como esse assunto está intimamente ligado à alimentação, diversos são os alimentos que podem influenciar na melhora desse problema. A substância mais comum são as fibras. "As insolúveis são parcialmente fermentadas no intestino grosso diminuindo assim o tempo de trânsito do bolo alimentar no intestino, aumentando a massa fecal", explica a nutricionista Fabiana Honda, da PB Consultoria Nutricional.(Leia +)

Fonte: NATHALIE AYRES - Minha Vida

Apneia do sono aumenta risco de morte súbita, diz estudo

Irregularidade do sono pode causar uma parada cardíaca fatal

De acordo com dados do Ministério da Saúde, 33% da população brasileira sofrem de apneia do sono. No entanto, a grande maioria nem sabe que tem a doença, já que somente um exame é capaz de diagnosticá-la. Por causar a parada da respiração diversas vezes durante o sono, ela pode também prejudicar a saúde do coração. Um novo estudo vai ainda mais fundo nessa relação: pesquisadores da Mayo Clinic Sleep Disorders Center, nos Estados Unidos, detectaram que quem tem apneia do sono apresenta risco elevado de morte súbita por causa cardíaca. 

Os resultados foram publicados no dia 11 de junho na versão online do Journal of the American College of Cardiology.

A morte súbita por causa cardíaca afeta cerca de 450.000 pessoas por ano nos Estados Unidos e acontece quando o coração para de bater abruptamente devido a alterações dos impulsos elétricos cardíacos, que causam arritmias.(Leia +)

Fonte: Minha Vida

CPI é criada para investigar perda de remédios em farmácia pública de MT

Comissão Parlamentar da Assembleia Legislativa vai apurar irregularidade. Centenas de medicamentos vencidos foram encontrados em farmácia.

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), criada nesta terça-feira (11), da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, vai investigar o desperdício de medicamentos da Farmácia de Alto Custo. Uma centena de remédios usados para o tratamento de doenças crônicas foi encontrada em um depósito do órgão.

O deputado Ademir Brunetto (PT) foi quem propôs a abertura da investigação, que obteve as oito assinaturas necessárias para ser instaurada. Agora, a CPI terá os membros indicados pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. “Nós não temos informações da quantidade do valor que representa essas perdas aos cofres do tesouro do estado. Precisamos de resposta célere”, disse Brunetto. 

A compra de medicamentos de alto custo está no centro de uma investigação do Ministério Público e do Tribunal de Contas da Uniao (TCU). Há três semanas, a equipe de reportagem da TV Centro América flagrou centenas de medicamentos que perderam a validade e não foram distribuídos aos pacientes. Pilhas inteiras de antibióticos, remédios para pacientes com câncer, que chegaram a custar R$ 2 mil.

O governo do estado considera desnecessária a abertura da CPI e informou que já está investigando o caso. Ainda segundo o governo, o contrato que mantinha com o Instituto Pernambucano de Assistência e Saúde (Ipas) no gerenciamento do estoque de medicamentos foi rompido. Segundo o governo, o instituto recebeu R$ 7 milhões aos cofres públicos para cuidar dos medicamentos que perderam a validade. “Como o governo já tomou as providências necessárias, não sei se cabe [a CPI]. Os processos que o governo está tomando são transparentes, abertos", salientou o chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf.

O secretário de Saúde do estado, Mauri Rodrigues, prometeu resolver o problema ainda este mês. “Os pregões estão no ar, os fornecedores estão voltando a fornecer [os medicamentos]. Foi um trabalho intenso, pontual que nós fizemos junto com os fornecedores e isso já está acontecendo”, explicou Rodrigues.

Boletim de Ocorrência

Uma mulher registrou na terça-feira (11) um boletim de ocorrência contra o secretário de Saúde do estado, Mauri Rodrigues. A irmã dela, que tem câncer, está sem o medicamento que a Farmárcia de Alto Custo deveria fornecer. Levantamento da pasta aponta que de cada 10 remédios que o estado é obrigado a entregar, quatro estão em falta.

Mesmo com a ordem judicial em mãos para comprar o medicamento que a irmã precisa em até 48 horas, o estado não cumpriu a medida. “Hoje eu decidi fazer um boletim de ocorrência contra o estado por omissão de socorro porque eles estão omitindo socorro para a minha irmã”, revelou Suzan Valvede. Enquanto o remédio não chega, a mulher tem atenuado as dores provenientes do câncer tomando morfina.

Drama

Uma vez por semana , Alessandra de Arruda e Silva repete o mesmo ritual. A dona de casa mora no bairro CPA 4, em Cuiabá e sai de casa em um ônibus coletivo até a unidade da farmácia de Alto Custo que deveria entregar o medicamento que a filha dela precisa. Ela percorre um trajeto de oito quilômetros.

Uma câmera escondida flagrou o atendimento prestado a ela no local. Quando solicitou o remédio à atendente da farmácia, Alessandra ouviu a resposta desanimadora. O remédio que a filha dela precisa não tem nem previsão para chegar na Farmácia de Alto Custo da capital.

A situação só não é mais preocupante porque, depois que uma reportagem exibida na TV Centro América mostrou na semana passada, o drama da dona de casa. Uma pessoa entrou em contato uma pessoa ligou para a casa dela e doou uma caixa do remédio.

"Foi uma engenheira que doou pra gente. Ela que comprou pra gente. Se nõo fosse essa ajuda, ela estaria sem medicacao até hoje. Se não fosse por ela sabe Deus o que poderia ter acontecido com [minha filha]”, afirmou Alessandra.

A pequena Kinvilli de Arruda tem um problema renal e sem o medicamento fica inchada por causa de problemas relacionados à retenção de líquido. Além da menina, dezenas de pacientes dependem da Farmácia de Alto Custo do Estado. São doentes com câncer, problemas renais e outras doenças graves.

Outro lado

O secretário de Saúde, Mauri Rodrigues, não foi localizado para comentar o registro do boletim de ocorrência. Sobre o medicamento para a paciente que sofre de câncer, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do estado informou que o remédio já foi comprado e agora aguarda a entrega.

Quanto aos medicamentos vencidos, o Ipas informou, por meio de nota, que quando assumiu o gerenciamento da Farmácia de Alto Custo, 60% dos produtos fora de validade já estavam no estoque. O instituto informou ainda que atingiu todas as metas do contrato e melhorias dos serviços.

Fonte: G1 MT

MS está acima da média nacional em doação de sangue

Não dói, não prejudica a saúde e é um ato de solidariedade que ajuda a salvar vidas, mas, ainda assim, a prática de doar sangue está longe de alcançar um patamar desejável. De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, apenas 1,9% da população doa sangue, quando o ideal proposto pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que de 3% a 5% dos habitantes de um país sejam doadores. Mato Grosso do Sul está um pouco a frente da média nacional, com 2,5%. Nesta sexta (14), é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue, uma data representativa para alertar a população acerca da importância do ato.

Para a presidente da Comissão de Direito à Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), Flavia Cristina Robert Proença, a solução para aumentar o estoque nos bancos de sangue é a conscientização da população, por meio de campanhas e divulgação. "É um ato voluntário e salva vidas", enfatiza Flavia, lembrando que a classe advocatícia tem por obrigação participar de forma periódica e ativa das campanhas.

Flavia argumenta ainda que muitos cidadãos têm dúvidas sobre os procedimentos, o que pode ser mais uma razão da baixa adesão ao ato. A doação de sangue pode ser feita pelo menos uma vez ao ano, por pessoas com idade entre 16 e 67 anos de idade. Para ser um doador de sangue, o cidadão precisa se dirigir até um dos postos de coletas com documento oficial com foto, estar bem alimentado, pesar no mínimo 55 kg, estar com boa saúde e não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas doze horas.

O Hemosul é um dos postos de coleta de sangue em Campo Grande. A coleta é gratuita e leva em média 10 minutos, período em que são colhidos 450 ml de sangue. O procedimento inclui ainda o cadastro do doador, uma pré-triagem e a triagem clínica, feita por um profissional de saúde.

Fonte: OAB/MS

DIPLOMAS MÉDICOS - Brasil e Portugal estudam reconhecimento mútuo

Ministros da Saúde dos dois países se comprometeram em acelerar o reconhecimento mútuo de diplomas durante reunião em Lisboa

Para atrair médicos portugueses ao Brasil, os governos dos dois países discutem mecanismos para promover o reconhecimento mútuo de diplomas de medicina, concedendo autorização para que profissionais formados na universidade de um país possam atuar no outro. A possibilidade foi tratada em encontro entre os ministros da Saúde do Brasil, Alexandre Padilha, e de Portugal, Paulo Macedo, em reunião em Lisboa na última segunda-feira (10). A ação faz parte do conjunto de medidas para enfrentar o déficit de médicos no Brasil.

Este mecanismo já estava previsto entre Brasil e Portugal por meio do Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta, em vigor desde 2000, mas não contava com envolvimento direto dos ministérios da saúde, que devem fechar acordo sobre o tema nesta semana.(Leia +)

Fonte: Portal da Saúde

Saúde oferece curso sobre influenza para médicos de todo país

O Ministério da Saúde está oferecendo aos médicos de todo o país curso de capacitação sobre o protocolo de tratamento da Influenza 2013. Realizado em parceria com a Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS), o curso de educação à distância tem como objetivo reforçar o manejo correto da doença aos profissionais que atuam na rede assistência à saúde. “O curso é bem prático, é uma atualização que vai dar segurança ao médico no uso do antiviral”, explica o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.

Segundo o secretário, o curso tem como principal meta a redução dos óbitos e complicações pela gripe e faz parte das medidas de preparação de rede pública para atendimento aos pacientes com síndrome gripal.

O curso apresenta casos clínicos interativos, com explicações sobre os erros e acertos a cada decisão que o médico tomar. Ao final de cada caso, o profissional poderá assistir a um vídeo com comentários de médicos especialistas sobre o tema abordado. A duração total é de seis horas, pela internet. Além disso, o curso permite o acesso a materiais de apoio, como fluxograma de tratamento, orientações de etiqueta respiratória e links para outros conteúdos. As inscrições podem ser feitas no link http://unasus.gov.br/influenza até final de agosto.

Para receber o certificado de conclusão, o profissional matriculado deverá concluir os quatro casos clínicos propostos no curso. O certificado é enviado automaticamente por e-mail dentro de alguns dias após a conclusão. Estudantes e outros profissionais de saúde também poderão acessar os materiais na íntegra como visitantes, sem necessidade de matrícula. Essa modalidade de acesso, entretanto, não concede declaração de participação.

Fonte: Valéria Amaral /Agência Saúde

Riscos de doenças ligadas a obesidade podem ser herdados de avó, diz estudo

Um estudo realizado por cientistas britânicos descobriu que os netos podem herdar de suas avós problemas de saúde ligados à obesidade, como cardiopatias e diabetes, mesmo que suas mães não apresentem indícios de tais doenças.

A obesidade é um problema que afeta vários países do mundo. No Reino Unido, a proporção de pessoas obesas em relação à população total já é a maior de toda a história.

Primeira geração

O estudo, da Universidade de Edimburgo, foi realizado com camundongos fêmeas com obesidade moderada, alimentadas com uma dieta rica em gordura e açúcar antes e durante a gravidez.

Os cientistas concluíram que os riscos da obesidade eram passados para a segunda geração da prole, ao passo que não constataram nenhum dos efeitos negativos do sobrepeso na primeira geração dos rebentos.

Eles não souberam, no entanto, esclarecer os motivos pelos quais isso acontece.

Entre as hipóteses, estão as diferenças no ganho de peso ou a alimentação com um determinado tipo de comida durante a gravidez.

Os cientistas acrescentaram que ainda estão estudando os efeitos da pesquisa em humanos. Segundo eles, os experimentos são desafiadores, mas possíveis.

Segundo Amanda Drake, da Universidade de Edimburgo: "Dado o aumento da obesidade no mundo, é vital entender como as gerações futuras podem ser afetadas por isso".

"Estudos realizados futuramente podem analisar essas tendências em humanos, mas precisariam levar em conta fatores genéticos, ambientais, sociais e culturais".

O estudo, publicado na revista científica Endocrinology, foi financiada por uma instituição de caridade que se volta para pesquisas sobre a saúde das grávidas.

Fonte: BBC Brasil

DIA D DE MOBILIZAÇÃO - Vacinação contra paralisia infantil começa neste sábado (8)

Ao todo, 115 mil postos estarão abertos em todo o país. Mais de 12 milhões de crianças, entre 6 meses e menores de 5 anos, devem ser vacinadas no Brasil.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, participa neste sábado (8), em São Paulo (SP), do Dia D de Mobilização, que marca o início da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite deste ano. A meta é vacinar 95% das 12,9 milhões de crianças de 6 meses a menores de cinco anos que existem no país, o que corresponde a 12,2 milhões. A campanha se estende até o dia 21 de junho e será realizada em parceria com as secretarias estaduais e municipais de Saúde em todo o Brasil.

Ao todo, 115 mil postos de vacinação estarão em funcionamento neste sábado. Além das unidades permanentes, postos móveis estarão instalados neste dia D em shopping centers, rodoviárias e escolas, entre outros locais. Cerca de 350 mil pessoas estarão envolvidas na campanha. Serão utilizados 42 mil veículos, entre terrestres, marítimos e fluviais.(Leia +)