Mentir demais tira o sossego e altera sua personalidade

Quem inventa muita história tem medo de rejeição e mania de agradar

Mentir para se livrar da culpa, para não causar discussões ou por medo de perder a confiança de uma pessoa querida é hábito entre muitas pessoas. A personagem Maya, da atriz Juliana Paes na novela Caminho das Índias, é um exemplo claro da confusão que a dificuldade em assumir uma atitude causa: ela esconde o verdadeiro pai de seu filho, com medo de ser largada pelo marido.

Para o psicoterapeuta Chris Allmeida, especialista do MinhaVida, os principais problemas causados pela mentira estão diretamente ligados à sua credibilidade, já que todo mundo vai questionar suas palavras dali para frente, achando que tem algo falso ali no meio. "Quem engana os outros de propósito precisa ter noção de que, quando for descoberto, vai ter de enfrentar a desconfiança mesmo quando estiver falando a verdade", afirma o especialista do site.

Mas não precisa esperar que isso aconteça para abandonar a mania de mentir sim, o comportamento vira uma mania quando você menos espera. A culpa é um ótimo sinal de que está na hora de mudar, abandonando o hábito de inventar historinhas. "Infelizmente algumas pessoas fazem da mentira um hábito e se acostumam com isso. Quando a culpa aparece, é sinal de que o hábito está gerando desconforto e precisa, urgente, ser deixado de lado", diz o especialista.

Uma mentira atrás da outra
Outro problema da mentira é que ela nunca aparece sozinha, precisa sempre de novas histórias para se manter viva. É evidente que uma mentira sempre precisa de outra e de outra para que ninguém desconfie da veracidade da história. E não pense que isso é coisa de gente mau caráter, somente", diz Chris. Ele lembra que, desde cedo, há situações em que fica difícil dizer a verdade, sob ameaça de castigos caso você fale tudo o que pensa. "Moldamos nossas palavras de acordo com aquilo que os outros querem ouvir na tentativa de combater a rejeição e corresponder ao que os outros esperam de nós", alerta o psicoterapeuta.

Revertendo a situação
É preciso muita coragem para voltar atrás de uma mentira e segurar a sinceridade. Mas, de acordo com o especialista, esse é a primeiro passo para conseguir ganhar a confiança das pessoas de volta e acabar com o hábito de criar histórias para se livrar dos próprios erros. "É difícil consertar uma mentira, pois aquele que deseja consertar já perdeu o crédito ao ter sido pego. A única opção é confiar no tempo, deixando que as pessoas percebam sua transformação", afirma o psicoterapeuta.

Mentiras Saudáveis?

Sabe aquele papo de mentira saudável, ou mentirinha do bem? Pode esquecer. O psicoterapeuta afirma que todas as mentiras são prejudiciais para a imagem de uma pessoa e, em contrapartida, podem fazer mal para outras. "Toda mentira enfraquece o caráter, fazendo uma pessoa ficar desacreditando de si própria, afinal ela não tem condições de sustentar as próprias idéias e precisa mentir".

Passando dos limites
Não existe uma pessoa que possa afirmar que nunca contou uma mentirinha. Mas existe o extremo de quem não consegue ficar alguns minutos sem inventar uma nova história. Essa atitude pode ser causada por sérios problemas emocionais e precisa do acompanhamento de um especialista. "Quando a mentira é uma forma de auto-defesa (ou seja, minto para não ser agredido ou para não ser julgado) ela é justificável no aspecto psicológico. Mas algumas pessoas mentem sem necessidade ou motivo o tempo todo. Nesses casos é necessário a ajuda e orientação de um especialista no assunto, pois, essa atitude é característica de pessoas com a auto-confiança completamente destruída", finaliza Chris Allmeida, psicoterapeuta e especialista do MinhaVida.

Minha Vida

Chás fortalecem os ossos, diz estudo

Muita gente sabe que o leite, pelas quantidades de cálcio que carrega, é um dos melhores amigos dos ossos e os chás, grandes aliados da hidratação e calmantes naturais, além de suas propriedades digestivas. Porém, um estudo realizado pelo Hospital da Universidade Nacional Cheng Kung, em Taiwan, e publicado na Archives of Internal Medicine, homens e mulheres que bebem chá há muito tempo apresentaram ossos mais densos em três pontos do esqueleto, independentemente do tipo ou quantidade de chá consumido a cada dia.

O estudo mostrou que beber chá regularmente por pelo menos dez anos aumentou a densidade mineral óssea em até 5%. A equipe entrevistou mais de mil homens e mulheres, com idade igual ou superior a 30 anos, sobre os hábitos de consumo de chá.

Depois, os adultos foram divididos em quatro grupos e também foram questionados sobre os hábitos de exercícios e fumo, uso de suplemento de cálcio e consumo de café, leite e álcool. Os pesquisadores mediram a densidade óssea em três pontos do esqueleto.

As pessoas que tomavam chá há muito tempo, ou aquelas que disseram consumir a bebida uma vez por semana, apresentaram ossos mais fortes em todos os locais medidos, em comparação à pessoas que não tinham o hábito de tomar chá, segundo o estudo.

Quase metade dos entrevistados disse que bebia chá diariamente há pelo menos dez anos. Os adultos que bebiam chá preto, oolong ou verde por seis a dez anos tiveram maior densidade óssea registrada na espinha lombar.

Os pesquisadores acreditam que substâncias presentes no chá, como fluoreto, fitoestrogênios e um grupo de antioxidantes, como os flavonoides, podem atuar em conjunto para proteger os ossos.

No entanto, mais pesquisas são necessárias para determinar os efeitos protetores do chá, assim como a possibilidade de um limite máximo, após o qual o chá deixa de ser benéfico.

Minha Vida

Estado divulga dados da Dengue referente a terceira semana de Janeiro de 2010

Os números são da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da SES/MT

A Secretaria de Estado de Saúde divulga dados parciais de casos de Dengue referentes à terceira semana de janeiro do ano de 2010. Até a data de hoje (27.01), o estado de Mato Grosso tem a notificação de 5.243 casos de Dengue. Desse total, 166 foram notificados como casos graves de Dengue.

O total de notificações até o momento de óbitos por Dengue é de 09 casos. Desses óbitos, 03 foram confirmados e 06 estão sob investigação. O Óbito que estava sendo investigado no município de Cuiabá foi descartado. Os números são da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da SES/MT.

Cuiabá- A capital do Estado de Mato Grosso, Cuiabá, tem até o momento a notificação de 710 casos de Dengue. Desses, 43foram notificados como casos graves da doença.

Várzea Grande- Em Várzea Grande, até o momento, a notificação é de 442 casos de Dengue. Desse número, 31 foram notificados como casos graves da doença. Foram registrados 02 óbitos, sendo 01 óbito confirmado como Dengue e 01 caso que está sob investigação.

ÓBITOS NOS DEMAIS MUNICÍPIOS- Os municípios que tiveram a notificação de óbitos por Dengue até o momento foram: Colniza (01 caso sob investigação), Diamantino (01 caso sob investigação), Poconé (01 caso sob investigação), Rondonópolis (02 casos, sendo 01 confirmado e 01 caso sob investigação) e Sinop (02 casos, sendo 01 confirmado e 01 caso sob investigação).

O estado de Mato Grosso apresenta até agora um incremento de 362.35% de notificações de dengue, se comparado ao mesmo período de 2009 quando apresentou um total de 1.134 notificações.

O Governo do estado de Mato Grosso mantém as recomendações do enfrentamento da dengue que é o de não deixar o mosquito nascer, eliminando os possíveis criadouros.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO- Manter a caixa d’água, tonéis e barris ou outros recipientes que armazenam água, totalmente tampados e limpos na sua parte interna (lavados com escova e sabão semanalmente). Deve-se remover tudo o que possa impedir a água de correr pelas calhas e não deixar a água da chuva acumular sobre as lajes.

No caso dos vasos de plantas, encher de areia, até a borda, os pratinhos dos vasos. Se não tiver colocado areia no pratinho da planta, lavar a mesmo com escova, água e sabão, pelo menos uma vez por semana, fazendo o mesmo com vasos de plantas aquáticas. Jogar no lixo todo objeto que possa acumular água, como potes, latas e garrafas vazias. Colocar o lixo em sacos plásticos, fechar bem esses sacos e deixá-los foram do alcance de animais. Manter lixeiras bem fechadas.

Arquivo/Assessoria/SES-MT

Drenagem linfática facial ameniza linhas finas e renova a pele

O tratamento também melhora olheiras e auxilia a cicatrização pós-cirúrgica

Pele de diva?
Mais um tratamento pode entrar para a sua lista de cuidados. A drenagem linfática facial. A técnica de massagem é cheia de benefícios. Ajuda ativar a circulação sanguínea, promovendo o relaxamento dos músculos da face e a eliminar as toxinas (que formam as linfas), causadoras das linhas finas e marcas de expressão. Suas vantagens vão desde revitalizar a pele do rosto, amenizar olheiras e até tratar hematomas decorrentes de traumas, doenças e cirurgias.

"Muitas pessoas pensam que a drenagem está associada apenas ao corpo, para o tratamento de celulite, retenção de líquidos, gordura localizada e recuperação no pós-operatório e desconhecem as vantagens que a técnica pode fazer para o rosto", explica a dermatologista Meire Parada Brasil, do setor de cosmiatria da Unifesp.

A técnica
Todos os toques e manobras da drenagem linfática facial, assim como acontece na corporal, devem ser feitos suavemente. "Os movimentos são de deslizamento e bombeamento e têm a finalidade de desobstruir os canais linfáticos, causando sensação de bem-estar e provocando maior eliminação do líquido retido no organismo", através da urina, explica Tatiana Campos Rocha, especialista em fisioterapia dermatofuncional e drenagem linfática, do Espaço Equilíbrio, em Minas Gerais.

Segundo Tatiana, a técnica não tem contraindicação e deve seguir uma ordem específica para funcionar de forma eficiente. "O tratamento consiste em duas etapas. Primeiramente, é feita a abertura dos gânglios (no pescoço, colo e axilas) e, em seguida, a drenagem propriamente dita, direcionando a linfa, com seu conteúdo (toxinas e líquidos retidos), para serem eliminadas por esses gânglios", explica Meire.

Frequência ideal
Tatiana explica que as sessões podem ser feitas uma vez por semana, ou até mais do que isso, no caso de um tratamento para peles mais necessitadas. "A frequência ideal vai depender de cada caso, mas é importante manter a regularidade no tratamento para não prejudicar o resultado final", explica a fisioterapeuta.

Objetivos
A drenagem linfática facial tem objetivos preventivos, estéticos e terapêuticos, pois estimula o sistema de defesa, a oxigenação dos tecidos e ajuda na eliminação de líquidos que ficam retidos, tonificando a pele e retardando o envelhecimento dos tecidos. A dermatologista da Unifesp explica que seus resultados são satisfatórios, porém, não são milagrosos, "A técnica ameniza problemas de origem vascular. Apagar manchas e eliminar rugas não faz parte do tratamento", explica Meire.


Olheiras e marcas de expressão
Como atua na melhoria da circulação sanguínea, a drenagem amplia a vascularização da região onde é aplicada. O resultado é a eliminação de bolsas e marcas de expressão na região dos olhos. "Só que a técnica não tem o poder de clarear a pigmentação escura das olheiras nem manchas de nenhuma natureza", explica Meire. "Os efeitos da drenagem não são definitivos, duram por um certo tempo, que varia de pessoa a pessoa, por isso a importância da manutenção do tratamento", diz a dermatologista.

Pós-operatório
Após as primeiras sessões, é possível visualizar os resultados do tratamento, com diminuição do edema e uma melhora geral na aparência da pele. "Quando a drenagem é realizada na área da cirurgia, há a compressão do líquido retido e sua eliminação de maneira mais rápida pelo organismo, evitando o perigo de infecções", explica a médica Em relação às cicatrizes, a drenagem é eficiente logo após a lesão, pois melhora a capacidade linfática e a circulação, diminuindo o edema. "Caso seja feita muito tempo depois, as chances são menores de ficar sem nenhuma marquinha, já que a circulação ficou comprometida em função do inchaço provocado pela lesão", afirma a dermatologista.

Minha Vida

Preste atenção nos sinais que a boca dá para a saúde do organismo

Fazendo um autoexame, você pode prevenir doenças mais graves como o câncer bucal

saúde bucal não pode e nem deve ser separada da saúde geral do organismo. Nossa boca é continuamente desafiada por infecções causadas por bactérias, vírus e fungos. "Qualquer lesão na mucosa da boca pode ser contaminada por micro-organismos presentes na boca ou adquiridos de outras pessoas, aumentando o risco de doenças, desde uma DST até problemas circulatórios", explica a dentista Amália Rodrigues Martins. Afta, herpes, excesso de saburra e outros problemas de saúde, que começam na boca, podem denunciar que seu corpo pede cuidados.

A boca abriga uma grande quantidade de micro-organismos que residem na superfície dos dentes, nas próteses ou na própria mucosa, formando um ecossistema chamado biofilme, que nada mais é do que a conhecida placa bacteriana. As bactérias podem causar doenças locais, como a cárie, a gengivite e a periodontite. Mas também podem desencadear problemas em outras partes do corpo. "Elas podem penetrar nos tecidos e na corrente sanguínea, liberando substâncias tóxicas e estimulando uma inflamação e até uma infecção grave", diz ela. A seguir, a especialista mostra quais os alertas que sua boca dá e como preveni-los.

Sinais na língua

A saburra é uma placa esbranquiçada ou amarelada, composta por células descamadas, restos alimentares e bactérias, que fica no dorso da língua. A formação de saburra é mais intensa nas pessoas que estão com o fluxo salivar diminuído, o que pode acontecer em situações de estresse, ingestão de certos medicamentos e determinadas doenças. "Entre as bactérias presentes na saburra lingual estão algumas espécies capazes de causar doenças como a gastrite, pneumonia, endocardite bacteriana, parada cardíaca, acidente vascular cerebral e a doença periodontal", explica Amália. Além disso, as bactérias presentes na saburra vão degradar proteínas, produzindo compostos sulfurados, responsáveis pelo mau hálito. Por isso, a escovação dos dentes e a limpeza diária da língua é importante para a eliminação dos micro-organismos. A higienização deve ser feita com a escova de dente, além de raspadores ou limpadores de língua com arestas ou cerdas.

Herpes labial ou bucal

Basta passar por uma situação estressante para as feridinhas, que evoluem para pequenas bolhas, aparecerem na boca. Causada por variações do vírus Herpesvirus hominis (HVH), a herpes é uma doença contagiosa, cuja transmissão ocorre geralmente na infância. O que acontece é que, após o contágio inicial, o vírus fica latente no organismo, podendo se manifestar em intervalos variáveis, principalmente na puberdade e vida adulta. "Entre os fatores relacionados com as recorrências de herpes podemos citar a exposição excessiva ao sol ou a radiação ultravioleta, temperaturas baixas, febre, infecções, estresse físico ou mental, distúrbios gastrointestinais, gripes, resfriados, menstruação, gravidez e uso de corticóides", explica Amália. Sendo que nas pessoas com deficiências imunológicas, a doença pode causar sérias complicações, pois o organismo tem a resistência muito baixa, ficando mais vulnerável a infecções.

O tratamento precoce pode inibir a manifestação clínica ou diminuir o tempo de duração e tamanho das lesões, que podem afetar a boca por até sete dias. O ideal é procurar atendimento assim que aparecerem os primeiros sinais (coceira, irritação, inflamação). As principais formas de tratamento são a prescrição de medicamentos antivirais, que atuam impedindo ou diminuindo a replicação dos vírus, e a terapia com aplicação de laser de baixa potência. "No caso de surtos muito frequentes, com mais de uma manifestação por mês, é possível recomendar antivirais por períodos mais prolongados de tempo", diz a dentista. A aplicação de laser atua diminuindo a dor e biomodulando a região, isto é, aumentando a resistência das células. O procedimento pode ser realizado em qualquer fase da doença, sendo que, assim como o uso dos medicamentos, apresenta melhores resultados na primeira fase da doença, que são as 24 horas iniciais. "Em alguns casos, as lesões são infectadas por bactérias, o que pode causar marcas definitivas na região, sendo necessária à prescrição de antibióticos e pomadas locais", explica Amália.

Cuidados essenciais

- Não toque na ferida, evitando o contágio. O vírus pode sobreviver por horas ou dias no meio externo e pode ser transmitido para outras pessoas através do beijo, relações sexuais, objetos contaminados (como copos, garrafas e roupas)

- Se tocar nas feridas, lavar as mãos imediatamente com água e sabão. A manipulação das lesões pode levar à contaminação de outras regiões como pele ulcerada, olhos e região genital

- As bolhas rompidas liberam líquido altamente infectante. É preciso secar a região com gaze ou lenços descartáveis. As lesões também podem ser lavadas com água e sabão

- Procure um especialista assim que aparecerem os primeiros sinais de herpes labial ou bucal para diagnóstico, orientação e tratamento.

Aftas

As feridas branco-amareladas com contorno avermelhado que aparecem na língua, lábios, parte interna das bochechas e garganta são lesões extremamente dolorosas e desaparecem em 1 a 2 semanas sem deixar cicatriz. Algumas pessoas apresentam aftas grandes, que demoram até 6 semanas para cicatrizarem. As aftas não são contagiosas, sendo muito comuns em pré-adolescentes, adolescentes e adultos jovens. ?As causas para a sua formação não são completamente conhecidas e podem estar ligadas à reação exagerada do sistema imunológico", explica Amália. Fatores como o estresse, alterações hormonais, alergias a alimentos, traumas físicos causado por mordidas, alimentos pontiagudos, mudanças hormonais, certos tratamentos de quimioterapia, medicações, hérnia de hiato com refluxo esofagiano e consumo de alimentos ácidos podem levar ao surgimento das feridas. "Não existe nenhum tratamento definitivo para aftas, pois nenhuma substância cura a úlcera de um dia para outro. Podem ser usadas pomadas anestésicas, corticóides e anti-inflamatórios, além da aplicação de laser de baixa potência para alívio da dor e aceleração da cicatrização", diz Amália.

Câncer bucal

O câncer bucal pode afetar a mucosa bucal, gengivas, o céu da boca, língua, assoalho da boca, o céu da boca e os lábios. A doença manifesta-se pelo aparecimento de feridas, que não cicatrizam após alguns dias. Podem surgir lesões superficiais e indolores, que sangram ou não, e manchas esbranquiçadas nos lábios ou na mucosa bucal. Em seu estágio avançado, a doença caracteriza-se pela dificuldade no falar, mastigar e engolir e até o emagrecimento acentuado, dor e presença de caroço no pescoço. Entre os fatores de risco para a doença estão o tabagismo, o uso do álcool, exposição solar exagerada, má higiene bucal e uso de próteses dentárias mal ajustadas. "Além do controle dos fatores de risco, o autoexame e controle profissional realizado por um dentista são fundamentais na prevenção da doença", alerta a dentista.

Faça o autoexame da boca

A finalidade do exame é identificar anormalidades existentes na mucosa bucal, que alertem a pessoa que o organismo não anda bem e a façam procurar um dentista ou um medico. O que procurar:

- Mudanças na aparência dos lábios e parte interna da boca

- Endurecimentos

- Caroços

- Ferida

-sangramento

- Inchações

- Áreas dormentes

- Dentes amolecidos ou quebrados

1. Lave bem a boca e remova as próteses dentarias, se for o caso.

2. De frente para o espelho, observe a pele do rosto e do pescoço. Veja se encontra algum sinal que não tenha notado antes. Toque suavemente, com a ponta dos dedos, todo o rosto.

3. Puxe com os dedos o lábio inferior para baixo, expondo a sua parte interna (mucosa). Em seguida, apalpe todo o lábio. Puxe o lábio superior para cima e repita a palpação.

4. Com a ponta de um dedo indicador, afaste a bochecha para examinar a parte interna da mesma. Faça isso nos dois lados.

5. Com a ponta de um dedo indicador, percorra toda a gengiva superior e inferior.

6. Introduza o dedo indicador por baixo da língua e o polegar da mesma mão por baixo do queixo e procure palpar todo o soalho da boca.

7. Incline a cabeça para trás, e abrindo a boca o máximo possível examine atentamente o céu da boca. Apalpe com um dedo indicador todo o céu da boca, em seguida diga AAAA ... e observe o fundo da garganta.

8. Ponha a língua para fora e observe a sua parte de cima. Repita a observação com a língua levantada até o céu da boca. Em seguida, puxando a língua para a esquerda, observe o lado direito da mesma. Repita o procedimento para o lado esquerdo, puxando a língua para a direita.

9. Estique a língua para fora, segurando-a com um pedaço de gaze ou pano, e apalpe toda a sua extensão com os dedos indicadores e polegar da outra mão.

10. Examine o pescoço. Compare os lados direito e esquerdo e veja se a diferença entre eles. Depois, apalpe o lado esquerdo do pescoço com a mão direita. Repita o procedimento para o lado direito, apalpando-o com a mão esquerda. Veja se existem caroços ou áreas endurecidas.

11. Finalmente, introduza um dos polegares por debaixo do queixo e apalpe suavemente todo o seu contorno inferior.

Minha Vida

Sono é o maior prejudicado para quem troca o dia pela noite

Relógio biológico desregulado pode afetar o equilíbrio emocional e a saúde

Sentir muito mais disposição durante a madrugada para realizar tarefas como estudar ou limpar a casa tem nome: atraso de fase. É quando a noite parece muito mais tentadora para fazer atividades que geralmente são feitas à luz do dia. De acordo com Antônio César Galvão, neurologista do Hospital Nove de Julho, a troca do dia pela noite não é espontânea, ou seja, ela só irá ocorrer quando houver um estímulo. Se um adolescente está para prestar vestibular, por exemplo, é comum que a ansiedade faça com que ele fique estudando durante a madrugada. "O mesmo acontece com as pessoas com jornada tripla, que trabalham, estudam e, no período da noite, chegam em casa para arrumá-la; sempre há um estímulo", completa o neurologista.

De acordo com a psicóloga Luciane Fujita, da Unifesp, especialista em medicina do sono, quem troca o dia pela noite vive no limite extremo do equilíbrio emocional e dos cuidados com a boa saúde. "A maior parte da população opta por dormir à noite e realizar suas atividades durante o dia. A mudança desse padrão pode gerar até alterações psicológicas", afirma a especialista. Dormir pouco pode proporcionar muito mais que uma pequena dor de cabeça na manhã seguinte. O sistema imunológico do corpo também sofre. É o que explicam os especialistas a seguir.

Sono na medida

O sono de uma pessoa geralmente dura cerca de 8 horas. "As necessidades do sono variam de uma pessoa para outra, sendo a média de 7 a 9 horas por noite. É possível descobrir se estamos dormindo a quantidade de horas adequadas quando nos sentimos bem no dia seguinte sem sentir cansaço e irritação, decorrentes da deficiência ou excesso de sono", explica a nutricionista Thais Morares.

O sono é um mecanismo fisiologicamente noturno e qualquer alteração requer adaptação do relógio biológico. Há pessoas que se sentem bem por trocar o dia pela noite e que se adaptam melhor ao período noturno naturalmente. Da mesma forma que há aquelas que vivem muito bem com uma quantidade muito reduzida de sono. "Pesquisas recentes sugerem que a genética pode regular a quantidade de sono de um indivíduo", explica Antônio César Galvão.

Quando a falta de disposição aparece por conta da troca de horários, é preciso ficar atento: isso que dizer que seu corpo prefere seguir os padrões da sociedade quando o assunto é o horário de repouso . No entanto, há casos em que não há escolha, quando é necessário trabalhar no período noturno, por exemplo. É aí que surge a questão principal: compensar o sono perdido. Como explica o neurologista, os horários diferentes desregulam o relógio biológico, que deve ser normalizado. "Todo mundo precisa dormir, seja qual for a hora", afirma. A seguir, os especialistas dão dicas para colocar o relógio biológico em ordem.

Durma mais cedo
Se você costuma dormir às 3 horas, acostume-se a ir deitar-se pelo menos meia hora mais cedo. Quando você conseguir pegar no sono nesse horário, comece a ir mais cedo para a cama, gradualmente, até que chegue ao horário normal.

Estabeleça uma rotina
Acostume-se a ir para cama sempre no mesmo horário, independente do que estiver fazendo ou do que tenha planejado terminar naquele período. Organize-se para pensar que tudo pode esperar seu corpo descansar.

Não tente dormir em qualquer lugar
O ambiente ideal é silencioso, confortável e sem luzes que gerem distração para pegar no sono. Ruídos e barulho atrapalham, portanto, ficar com a televisão ou o aparelho de som ligados nem sempre são a melhor saída.

Deixe a cafeína de lado
Evite consumir alimentos estimulantes horas antes de se deitar, principalmente os que sãos ricos em cafeína, como o café e chá. Algumas pessoas são mais sensíveis a essa substância do que outras, assim como os exercícios, que deixam o cérebro ainda mais ativo que o normal, evitando a chegada do sono.

Minha Vida

Nutrição Funcional ajuda flora intestinal a combater a celulite

Faça da alimentação a sua melhor aliada para evitar os terríveis furinhos

Muito se fala sobre as causas da celulite. Entre as explicações, destacam-se as teorias alérgica, tóxica, circulatória, metabólica, bioquímica e até hormonal. O que pouco se fala é que se pode prevenir e tratar a celulite com a nutrição funcional, considerada um dos melhores meios para se obter resultados satisfatórios contra os furinhos indesejados que incomodam a maioria das mulheres.

A nutrição funcional possibilita um tratamento individualizado, baseado na bioquímica pessoal de cada indivíduo e com isso mantém o equilíbrio do organismo, além de prevenir doenças. É importante saber que a celulite é uma patologia causada por vários fatores, e por isso é fundamental conhecer suas reais causas e então iniciar um tratamento que inclui a mudança de de hábitos alimentares, retirando o que não faz bem (desintoxicação) e incluindo novos alimentos - sempre de acordo com a avaliação individual do paciente.

Problemas intestinais são uma das principais causas da celulite e de diversas outras doenças. Para que a flora intestinal seja regularizada, é preciso que a dieta seja individualizada e elaborada baseada nos alimentos que funcionam com o corpo da pessoa em tratamento e não com dicas miraculosas e dietas generalizadas.

Os alimentos alergênicos têm um papel muito importante na formação da celulite. Cada indivíduo tem suas sensibilidades alimentares e individualidade bioquímica, ou seja, muitas vezes ingere uma alimentação não adequada ao seu organismo. Estes alimentos comprometem a saúde intestinal e o desequilibram, podendo gerar diversos processos inflamatórios, como a celulite, um dos maiores que o organismo apresenta.

Dra. Daniela Jobst é nutricionista especialista em Nutrição Clínica Funcional e em Fisiologia do Exercício. Membro do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional.

Saúde masculina é mais frágil do que a das mulheres

Além de fatores biológicos, estudo diz que os homens dominam hábitos auto-destrutivos

Um estudo recente, publicado na edição de janeiro do periódico Harvard Men's Health Watch, afirma que, do ponto de vista clínico, os homens são o sexo frágil. Os pesquisadores analisaram fatores biológicos, sociais e comportamentais.

Dentre os fatores biológicos, a pesquisa concluiu que as mulheres apresentam maiores níveis de HDL (colesterol bom), que as protegem de doenças do coração. Outro ponto é o excesso de peso, comum em ambos os sexos. As mulheres tendem a apresentar excesso de peso nos quadris e coxas, a chamada gordura periférica. Já os homens acumulam gordura na região abdominal, caracterizada como gordura visceral. Segundo os pesquisadores, a localização da gordura masculina apresenta mais riscos à saúde do que a gordura dos membros inferiores do corpo, aumentando os riscos de problemas cardiovasculares, derrames, hipertensão e diabetes.

Quanto aos fatores sociais que influenciam a saúde masculina, o estudo aponta que há características que são mais comuns em homens que em mulheres. Alguns deles são o alto nível de estresse, hostilidade e raiva, aumentando riscos de ataques cardíacos. Já as mulheres apresentam mais relacionamentos sociais, o que reduz o risco de muitos males.

Situações negativas Hábitos como fumar, beber e abusar de drogas são classificados como fatores sociais masculinos. Mesmo que até certo ponto a diferença entre os sexos diminua, o estudo afirma que os homens ainda dominam hábitos auto-destrutivos. Além disso, as mulheres incluem mais vegetais em sua alimentação diária, enquanto os homens continuam devorando grandes quantidades de carne e frituras.

Minha Vida

Verdades e mentiras sobre as câmaras de bronzeamento artificial

Câncer de pele e perda de colágeno são alguns dos males que ela pode causar

A polêmica das câmaras de bronzeamento artificial continua. Depois de terem sido vetadas pela Anvisa, em novembro do ano passado, o Tribunal Regional Federal da 4ª região, no Rio Grande do Sul, concedeu, nesta semana, uma liminar liberando o uso do equipamento para os estabelecimentos filiados à Associação Brasileira de Bronzeamento Artificial (ABBA). A medida fez com que muita gente fizesse fila por uma sessão nos estabelecimentos onde o uso foi retomado.

A Anvisa proibiu o aparelho tanto para a comercialização quanto para uso pessoal, baseando-se em pesquisas da Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer. As pesquisas apontam que pessoas com menos dos 35 anos, que se expõem ao bronzeamento artificial destas câmaras correm 75% mais riscos de desenvolver câncer de pele.

De acordo com o diretor da Anvisa, Dirceu Barbano, a norma da não-utilização das câmaras continua valendo para todo o país. "Algumas liminares liberaram o uso, mas estamos recorrendo e, em alguns casos, já conseguimos reverter", explica. "As câmaras não trazem nenhum benefício para a saúde". O equipamento funciona como um sol artificial, que emite raios UVA, estimulando a produção de melanina, que produzem pigmentação e conferem o aspecto bronzeado à pele. Caso as câmaras voltem mesmo à ativa, fique atento às verdades e mentiras com relação ao assunto.


A exposição às lâmpadas UVA aumenta em 75% os riscos do desenvolvimento de melanoma.Pode causar câncer de pele.

Verdade. Estudos da OMS afirmam que a exposição às lâmpadas UVA aumenta em 75% os riscos do desenvolvimento de melanoma, tipo mais grave de câncer de pele, por meio de danos às células da pele. "Em geral, quem está habituado a fazer bronzeamento artificial também gosta de se expor ao sol, o que danifica ainda mais as células da pele", explica Meire Brasil Parada, dermatologista colaboradora da Unidade de Cosmiatria da Unifesp (SP). Outro erro que eleva os riscos é não fazer uso de filtro solar ao usar as câmaras.

Conserva a pele hidratada.

Mito. De acordo com a especialista, a luz promove atrofia das células, diminuindo a hidratação da pele e aumentando a perda de água. "Além disso, a exposição danifica o colágeno, fazendo a pele perder a elasticidade e o tônus", completa.



Causa envelhecimento precoce da pele.

Verdade. A falta de hidratação, as células danificadas, o colágeno destruído e a perda de elasticidade fazem com que a pele fique envelhecida, surgindo rugas precoces.

30 minutos de câmara equivalem a 30 minutos de exposição ao sol.

Mito. De acordo com a dermatologista, 10 minutos em uma câmara de bronzeamento artificial são equivalentes a cinco vezes o mesmo tempo de exposição solar em um dia quente, no horário de radiação solar intensa.


O filtro solar não deve ser dispensado quando houver exposição solar.Falta de controle do tempo pode causar queimaduras.

Verdade. Existe um teste para determinar o tempo de exposição à luz chamado DEM (Dose Eritematosa Mínima). O teste verifica qual a quantidade de exposição à luz para a pele ficar vermelha. Uma câmara que funciona em condições normais e com supervisão não pode provocar queimaduras. "É a radiação UVB e não a UVA a principal responsável por queimaduras solares", explica Carla Albuquerque, dermatologista e especialista do MinhaVida. "No entanto, como não existe uma regulamentação rígida que controle a fabricação e fiscalização destas máquinas, pouco se pode dizer da credibilidade desta fonte de emissão luminosa", completa a especialista.

O uso de medicamentos não influencia o uso da câmara.

Mito. De acordo com Carla Albuquerque, há medicamentos que são fotossensibilizantes e, na presença de radiação ultravioleta, podem causar reações graves na pele. "Piroxicam, tetraciclinas, prometazina e griseofulvina são alguns exemplos", afirma.

Visão pode ser afetada.

Verdade. Segundo a especialista do MinhaVida, a ausência de proteção adequada na exposição à radiação ultravioleta causa danos oculares, como ceratires, pterígio, catarata precoce e até envelhecimento precoce do epitélio da retina.

É o método de bronzeamento artificial que mais prejudica a saúde da pele.
Verdade. Por não deixar a pele vermelha, a radiação solar concentrada das câmaras de bronzeamento apresenta uma falsa sensação de "bronze seguro". "Sem ficar vermelha, fica difícil de saber a hora que a exposição está excessiva", explica Carla. A dermatologista aconselha o uso de autobronzeadores, que possuem o composto dihidroxiacetona, responsável pela coloração da camada córnea, área mais superficial da pele. "Vale lembrar que eles não conferem nenhuma proteção extra à pele e o filtro solar não deve ser dispensado quando houver exposição solar", alerta a especialista.

Minha Vida

Qual a idade certa para tirar as fraldas?

Idade ideal é entre os 24 e 32 meses de idade, diz estudo

Ser mãe é dentre tantas coisas, estar atenta ao tempo de seu bebê e, se existe uma fase importante nos primeiros meses de vida dos pimpolhos, é o desligamento das fraldas. Cientistas norte-americanos recomendam paciência.

De acordo com estudo publicado no Jornal de Urologia Pediátrica e desenvolvido pela Universidade da Califórnia, o momento ideal para começar a tirar as fraldas dos bebês acontece entre os 24 e 32 meses. S

egundo os estudiosos, o período seria ainda mais importante do que o método utilizado. Eles explicam que é nesta fase que as crianças começam a sinalizar que querem fazer xixi ou coco, um dos indícios de que chegou a hora de iniciar o processo e alertam para os perigos da antecipação ou atraso deste processo.

O risco de desfraldar a criança antes de ela estar preparada, segundo eles, é que os pais vão ter mais trabalho na fase de adaptação da criança. O treinamento, que leva de 4 a 5 meses, poderia levar, então, o dobro do tempo e demorar além desse prazo poder trazer consequências como incontinência urinária e xixi na cama e nas calças.

Os pesquisadores dão algumas dicas de como perceber se seu bebê está pronto para passar por este processo:

1. Observe

A criança que já sabe andar bem equilibrada e consegue identificar objetos começa a dar sinais de que chegou a hora.

Outro sinal é quando ela demonstra incômodo com o uso da fralda. Isso costuma acontecer a partir de 1 ano e meio, e o treinamento pode ser iniciado. Ela vai aprender a controlar a saída de xixi e coco em pouco tempo.

Dica: inicie o processo no verão porque a criança transpira mais, faz menos xixi e não veste tanta roupa como no inverno.

2. O que é o que é?

Conhecer os nomes dos objetos, como banheiro e papel higiênico, e explorar o ambiente facilita a vida de quem começou a dar os primeiros passos rumo a uma vida sem fraldas.

Ensine tudo: sentar no vaso, puxar a descarga, lavar as mãos. Esse período de reconhecimento dura, em média, dois meses.

3. Treinamento diário

O treinamento vai exigir muita paciência e determinação dos pais e de quem mais cuidar da criança. Ensine-a chamar alguém sempre que precisar ir ao toalete, deixe que fique sentada no vaso se tiver vontade. Nunca obrigue nem tenha pressa.

Minha Vida

5 dicas para controlar a ansiedade

Se livre deste incômodo tomando algumas atitudes no dia-a-dia

A ansiedade é um estado caracterizado por medo, apreensão, mal-estar, desconforto, insegurança, estranheza do ambiente ou de si mesmo e, muito freqüentemente, pela sensação de que algo desagradável está para acontecer. Além dos medicamentos convencionais, existem algumas alternativas naturais que podem nos ajudar a controlar a ansiedade. É sobre elas que vamos falar.

1) A forma mais comum de tratar a ansiedade é a prática de exercícios físicos. Praticar exercícios físicos ajuda a lidar com estados de ansiedade porque eleva a produção de serotonina, substância que aumenta a sensação de prazer. Essa alternativa costuma funcionar dependendo da disposição da pessoa, uma vez que nem todo mundo gosta de praticar exercícios.

Caminhar três vezes por semana, por pelo menos meia hora, já pode ajudar a lidar com a ansiedade. O momento da caminhada, além de ser um exercício para o corpo, também pode ser aproveitado para trabalhar a mente, sob a forma da meditação ativa. Quando você anda, pensa. A caminhada de meia hora é um movimento repetitivo e você acaba pensando nos pontos geradores de ansiedade que precisa trabalhar;

2) Pessoas com tendência a ansiedade precisam reduzir o seu estresse diário. Para as que ficam estressadas com mais facilidade recomendo sessões de massagem e acupuntura regulares, além de ioga e meditação. Muitos pacientes com ansiedade se beneficiam também de tratamentos alternativos como a homeopatia e o uso de florais de Bach. A ioga oferece ao praticante a possibilidade de aprender a controlar sua mente e seu corpo. Este controle, que é obtido através de uma combinação de técnicas respiratórias, corporais e de meditação. Tem como resultados o aumento da flexibilidade, fortalecimento dos músculos, aumento de vitalidade e maior controle sobre o estresse. Além da ioga, outra alternativa de controle da ansiedade são as massagens. Se tiverem uma abordagem mais oriental, buscando o equilíbrio emocional, melhor;

3) Para reduzir as reações do sistema nervoso autônomo, devemos fazer o controle da respiração. Isto pode ser feito compassando a respiração e inspirando lentamente pelo nariz, com a boca fechada. Ao inspirar deixar o abdome expandir-se, ou seja, estufar a barriga e não o peito. Depois, expirar lentamente, expelindo o ar pela boca. Isto pode ser feito em qualquer lugar, a qualquer hora. Além disso, quando você estiver em um ambiente silencioso e com possibilidade de ficar deitado, use uma técnica de relaxamento. O relaxamento combinado com a respiração diafragmática, certamente, reduzirá a respiração ofegante, a taquicardia e o tremor;

4) Em situações de ansiedade que se estendem por longos períodos, recomenda-se que a pessoa evite os pensamentos negativos ou catastróficos. Deve-se tentar dimensionar a gravidade da situação, questionando a si mesmo se existe uma forma alternativa de análise, se estamos superestimando o grau de responsabilidade que temos nos fatos ou se estamos subestimando o grau de controle que podemos ter. Uma vez avaliada a situação, devemos substituir os pensamentos sobre o evento temido, principalmente, os negativos por outros pensamentos. Sempre que um pensamento negativo se iniciar, devesse substituí-lo por outro pensamento qualquer, preferencialmente, agradável. Isto certamente não é fácil de ser feito, mas é possível e trata-se de um aspecto importante, pois os pensamentos e as falas negativas agravam a situação, intensificando as respostas autonômicas, como o mal-estar e o descontrole respiratório;

5) Para controlar a ansiedade, podemos ingerir alimentos que sejam fonte de triptofano, um aminoácido precursor da serotonina, como a banana e o chocolate, de forma moderada, para não ganhar peso. Outra possibilidade é ingerir o triptofano em cápsulas, junto com vitamina B6 e magnésio. Outros aminoácidos que podem ajudar são a taurina e a glutamina. Eles aumentam a disponibilidade de um neurotransmissor chamado GABA, que o organismo usa para controlar fisiologicamente a ansiedade. Eles também podem ser ingeridos em cápsulas, mas apenas com a orientação de um médico especialista. Existem ainda os chás. A maioria possui substâncias que funcionam como sedativos suaves e podem ajudar no controle da ansiedade diária. As plantas mais conhecidas e estudadas com essa ação são a passiflora, a melissa a camomila e a valeriana.

Adriana de Araújo é psicóloga clínica e hipnoterapeuta ericksoniana.

Escolha do travesseiro garante sono tranquilo e boa saúde

Preste atenção na posição em que você dorme para não fazer a compra errada

Se uma noite de sono faz toda a diferença para a saúde, a escolha do travesseiro ideal é o primeiro passo para que o repouso seja calmo e revigorante. Alto, baixo, macio, firme, de espuma, com penas, de látex ou ortopédico? As opções são tantas que geram até confusão na hora da escolha. Mas não é só o conforto que deve interferir na decisão. A saúde da coluna é colocada à prova nessa hora.

Na hora de fazer a compra é preciso levar em consideração aspectos como a altura, o material de que é feito, a posição em que você dorme, além de características de seu biótipo, como peso e idade. "Não existe um travesseiro perfeito para todos os tipos físicos, e sim, modelos que se adaptam a necessidade de cada pessoa", explica a fisioterapeuta Yeda Bellia.

Já as pessoas que sofrem com alergias respiratórias precisam ser ainda mais criteriosas. O ideal é tomar cuidado com o cheiro que alguns travesseiros exalam, pois eles podem desencadear processos alérgicos ou intensificar ainda mais os sintomas de quem já as tem.

Para que você possa escolher o tipo mais adequado as suas necessidades, o MinhaVida mostra os tipos de travesseiros disponíveis no mercado.

Espessura

O importante é analisar a densidade do travesseiro para que a cabeça não afunde. Em geral, o travesseiro deve ser mais baixo para quem dorme com a barriga para cima ou mais alto para quem dorme de lado . Assim, cabeça e coluna se mantêm alinhados e o corpo fica relaxado. "A medida evita que ocorram problemas circulatórios ou compressões dos nervos, o que poderia ocasionar incômodos como torcicolo e formigamento, além de provocar uma tremenda insônia ", explica Yeda.

Ortopédico

Chamado também de anatômico, é mais alto na parte superior, facilitando o encaixe adequado da cabeça. É mais indicado para quem dorme de lado ou apresenta problemas na coluna.

Espuma

Disponível em vários formatos, precisa ser denso o suficiente para manter a cabeça na altura certa e não a deixa afundar.

De pena

É muito macio e leve, porém, as penas se deslocam facilmente para as bordas, deixando o seu centro com uma reentrância. O afundamento pode gerar desconforto muscular e problemas futuros na coluna.

Pluma

A pluma de ganso é considerada um dos materiais mais nobres para o enchimento do travesseiro, já que deixa ele macio e também não permite que a estrutura fique deformada. No entanto, devem ser usados com precaução por quem sofre com alguma alergia.

Os travesseiros produzidos atualmente já são feitos com pluma esterilizada para evitar processos alérgicos, porém o procedimento não garante a inibição total dos agentes causadores de alergias.

Algodão

São travesseiros indicados para o verão ou regiões de clima mais quente, pois o material não esquenta e causa sensação de frescor. Por não soltar fiapos, o modelo é indicado para quem sofre de alergias respiratórias.

Mistos

Eles são feitos de plumas e penas, variando a proporção de acordo com o fabricante. São mais pesados em relação aos de plumas e mais leves do que os de penas. Por isso, são recomendados para quem tem peso e estatura mediana, pois, não são altos ou baixos, e sim, médios. Apesar de serem penas e plumas esterilizadas, não são recomendados para pessoas alérgicas. As penugens podem irritar as vias respiratórias. Não é recomendado para pessoas que demandam travesseiros mais altos, já que eles tendem a afundar muito rápido com o uso.

Siliconados

Os travesseiros siliconados tem o enchimento feito com fibra de poliéster e com tecido de revestimento que variam entre 100% algodão, mistos (poliéster com algodão) ou 100% poliéster. A vantagem deles é que são antialérgicos, mas, por outro lado, perdem densidade com muita facilidade.

Látex

Eles levam mais tempo para afundar com o peso da cabeça e ajudam a manter o corpo na posição correta na hora de dormir.

Com ervas

Utilizado pelos adeptos da aromaterapia, pode melhorar a qualidade do sono por exalar cheiros que acalmam ou aliviam sintomas como dores de cabeça e insônia.

Antiácaro

Travesseiros com esta proteção são essenciais para proteger o produto de ácaros e bactérias, porém, podem acumular até 300 mil ácaros em seis meses de uso. Por isso, o alergista Celso Henrique de Oliveira recomenda trocá-los com frequência. "Outra opção é colocar o travesseiro no sol. Isso ajuda a diminuir a quantidade de fungos que servem de alimento para os ácaros", explica ele.

Minha Vida

Felicidade: Você precisa acreditar que querer é ter

Pare de se espelhar nos outros, a sua vida é única!

E por falar em felicidade... O que você entende por esse assunto? Antes de continuar a leitura, pense alguns instantes sobre isso. Pronto? Será que ser feliz é realmente o que você acabou de pensar? Pode ser que sim, pode ser que não... Será que a felicidade é algo que vem e vai na vida das pessoas? Ela pode escolher em quem habitar ou será que cada um pode optar por ser feliz? E como os indivíduos fazem essa escolha?

Muitas pessoas dizem: Serei feliz quando... E esperam quase que eternamente algo acontecer. E porque não AGORA, aproveitando o que se tem ao transformar sonhos em realidade? Será que a felicidade aparece QUANDO se chega lá, ou se manifesta, quase que por si só, durante o caminhar?

Definir felicidade é uma tarefa complexa, principalmente porque o que agrada algumas pessoas pode desagradar outras. Entretanto, algumas coisas são de censo comum. Há uma música do compositor e cantor Guilherme Arantes, que diz: Eu daria tudo por meu mundo e nada mais. Dentro desse contexto, pode-se entender felicidade, como sendo a realização pessoal. E não apenas a

concretização dos objetivos, mas todo o seu trajeto. É fundamental saber usufruir do que se tem em cada momento da vida, para só depois desejar algo novo. O que ocorre, muitas vezes, é o contrário: as pessoas não desfrutam do que possuem e justamente por isso, desejam algo diferente. Mas, se enganam com a perspectiva de felicidade futura. E talvez a questão seja trabalhar esse tempo entre o querer e o ter, pois evitar que esse tempo exista é humanamente impossível. Aprender a lidar com esse período é uma aprendizagem. Sempre se pode descobrir algo diferente no presente, de tal forma que isso ajude na transformação e encontro do bem-estar. E como disse Toquinho numa canção: A vida sempre segue em frente o que se há de fazer? Ainda, bem! Dessa maneira temos tempo suficiente de ser feliz, principalmente agora!

Todos querem ter felicidade. E será que as pessoas realmente sabem se são felizes ou não? Os primeiros a falarem sobre esse tema foram os gregos, por volta do século VII antes de Cristo. Várias pessoas já contribuíram com suas opiniões ao definir essa palavra. Cada um, de acordo com sua época e as aprendizagens que obteve durante a vida. A maneira de elucidar esse termo foi mudando ao longo dos tempos. Houve uma época, em que felicidade era entendida como prazer sensual e a saúde física, depois estava relacionada a virtude. Para Schopenhauer, a felicidade era, por assim dizer, mutante: Como a essência do homem consiste em que sua vontade deseja, é satisfeito e deseja novamente, e assim indefinidamente, e como sua felicidade e bem estar consistem apenas em que a transição do desejo, prossiga com rapidez, uma vez que a ausência da satisfação é sofrimento, e a do novo desejo, ansiedade vazia, tédio.

Dentre os vários e possíveis objetivos que se pode ter durante a vida, a felicidade é a única que tem valor em si mesma. Para Aldous Husley era um subproduto de alguma outra coisa que as pessoas estão fazendo. Todos os outros desejos são, na verdade, apenas uma ponte, um caminho para alcançá-la. Dessa maneira, esse querer se torna um meio para tentar atingi-la. As pessoas querem possuir dinheiro, amor e saúde, pois acreditam que ao alcançá-los e desfrutá-los descobrirão automaticamente o que é ser feliz.

E muitas vezes se esquecem de que ser feliz é estar e não apenas o chegar lá. É fundamental desfrutar de momentos agradáveis, bem como aprender a lidar com a falta do que se almeja, respeitando o tempo para alcançar o que se quer, e tendo flexibilidade para mudar os caminhos escolhidos cada haja necessidade. Aprender a conviver com a falta, é mais do que uma escolha, é uma obrigação de quem quer ser e é feliz.

Adriana de Araújo é psicóloga clínica e hipnoterapeuta ericksoniana

Brasil compra 83 milhões de doses de vacina contra gripe A pandêmica

Total será disponibilizado por três fornecedores distintos. Mais recente acordo fechado pelo ministério prevê aquisição de 10 milhões de doses do Fundo Rotatório de Vacinas da OPAS. Imunização será feita em grupos prioritários a partir de março.

O Ministério da Saúde fechou acordo com três diferentes fornecedores de vacina contra o vírus da gripe pandêmica A(H1N1), o que garantirá ao país a aquisição total de 83 milhões de doses para sua estratégia de vacinação contra a gripe pandêmica, a ser realizada entre março e abril de 2010. Os laboratórios enviarão as doses ao ministério de maneira escalonada, entre janeiro e março. O investimento total do Ministério da Saúde, responsável também pela distribuição das vacinas aos estados, é de R$ 1,006 bilhão.

Pelo mais recente contrato, firmado na última semana, o Fundo Rotatório de Vacinas da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) fornecerá 10 milhões de doses para o Brasil, o que representará um investimento de US$ 70 milhões de dólares (US$ 7 por dose) – o equivalente a R$ 122,5 milhões.

O Ministério da Saúde já havia comprado, em novembro de 2009, o primeiro lote de vacinas, com 40 milhões de doses, fornecidas pelo laboratório Glaxo Smith Kline (GSK). A compra foi fechada a partir do menor preço apresentado pelos concorrentes em um processo de compra emergencial. O custo unitário da dose nessa compra foi de US$ 6,43 – representando investimento global de US$ 257,2 milhões (R$ 444,7 milhões).

Além disso, o Ministério da Saúde encomendou 33 milhões de doses do Instituto Butantan, cuja primeira remessa, de cerca de 600 mil doses, deve ser entregue à pasta nos próximos dias. Essas doses foram negociadas pelo Ministério da Saúde, ao lado do Instituto Butantã, com o laboratório francês Sanofis-Pasteur – que já tem acordo de transferência de tecnologia com o Butantan para a vacina da gripe sazonal. O imunizante para gripe pandêmica que será fornecido pelo Butantan terá preço unitário de US$ 7,6 – representando investimento de US$ 250,8 milhões (R$ 438,9 milhões). Esse valor unitário, o mais alto, inclui o custo de transferência de tecnologia para produzir a vacina contra o vírus pandêmico.

Até o início de fevereiro, o Ministério da Saúde deverá anunciar, em detalhes, a estratégia nacional de vacinação contra a gripe pandêmica para o país. “O que é importante que todos saibam é que não há, neste momento, distribuição de vacina à população em nenhum estado brasileiro. As doses serão distribuídas nacionalmente quando houver estoque suficiente para viabilizar a estratégia de vacinação simultanamente em todo o país”, diz o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Gerson Penna.

Os grupos prioritários que receberão a vacina contra o vírus da gripe A (H1N1) serão estabelecidos com base em critérios epidemiológicos, observados durante a primeira onda da nova gripe, no inverno do ano passado; durante a segunda onda em curso no Hemisfério Norte; e em acordo com sociedades médicas, Conass (Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde) e Conasems (Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde), seguindo recomendações da Organização Mundial da Saúde. Entre os grupos prioritários estão grávidas, trabalhadores de saúde envolvidos no atendimento aos pacientes, crianças entre 6 meses e 2 anos, indígenas e pessoas com doenças crônicas preexistentes (cardíacas, pulmonares, renais, metabólicas etc.).

Todo o investimento na aquisição da vacina contra a gripe pandêmica (R$ 1,006 bilhão) é de responsabilidade do Ministério da Saúde. Esse valor equivale a todo orçamento do Programa Nacional de Imunizações, que oferece vacinas contra doenças como poliomielite, febre amarela, hepatite, tétano, difteria, entre outras. Os recursos vêm do crédito suplementar de R$ 2,1 bilhões, aprovado em outubro do ano passado por medida provisória, para ações de enfrentamento da gripe pandêmica.

O ministério também adquiriu 83 milhões de seringas e agulhas, ao custo de R$ 40 milhões. Os insumos serão distribuídos às Secretarias Estaduais de todo o país, durante a vacinação. Além disso, no final de 2009, foram repassados R$ 11 milhões para os Estados iniciarem a preparação da vacinação.

Portal da Saúde

7 motivos para ir ao fonoaudiólogo

Os exercícios melhoram a forma de mastigar, engolir e até a sua respiração

Trocar letras, língua presa e respiração oral: esses são os motivos que, geralmente, levam os pacientes ao fonoaudiólogo. Mas há outros motivos que justificam uma consulta. "No momento em que uma pessoa tem dificuldades de comunicação, ela apresenta problemas de convívio social", afirma a fonoaudióloga Thays Vaiano.

"A comunicação está associada diretamente com a qualidade de vida", afirma. Na infância, os pais obrigam as crianças a freqüentar sessões. Mais tarde, entretanto, esse tipo de consulta costuma fazer parte da rotina de poucas pessoas - em geral, aquelas que trabalham com a voz, como locutores, professores e atores.

Mas são muitas as situações em que esse tipo de trabalho pode ser útil: a seguir, a especialista lista 7 casos em que a consulta ao fonoaudiólogo é indicada.

Trocando as letras

A letra p pela letra b; a letra f pela letra s. Quando a criança troca as letras, é hora de consultar um fonoaudiólogo. "Geralmente, é a escola que encaminha a criança ao fono", explica a especialista. Durante as sessões, são feitos exercícios que auxiliam na reprodução da letra.

Quando há dificuldades com a letra l, por exemplo, os exercícios envolvem a ponta da língua, com a leitura de diversas palavras na frente do espelho. Entre essas palavras, há algumas com a letra l, incentivando a pronúncia correta.

"Porém, esses exercícios têm de ser divertidos, para estimular o envolvimento infantil", explica Thays. Um bom exemplo disso é o exercício que envolve a letra z: a fonoaudióloga sugere que a criança imite o zumbido da abelha. Na letra l, a brincadeira é estalar a língua no céu da boca, como o trotar de um cavalo. "A criança precisa se interessar pelo exercício", completa.

Padrão respiratório

A consulta também pode ajudar o paciente a estabelecer um padrão respiratório. Como lembra Thays Vaiano, é muito comum crianças e adultos respirarem pela boca, o que diminui a imunidade e atrapalha a dicção.

Língua presa

Motivo de piada na época de escola, a fonoaudióloga afirma que muita gente confunde o significado de língua presa. "Na verdade, a língua é solta, passando dos dentes, o que dificulta a pronúncia de algumas letras", explica.

Geralmente, a língua dessas pessoas é flácida e, segundo a especialista, exercícios para tonificar a língua melhoram a fala. "Quando há problemas com a pronúncia da letra t, por exemplo, o exercício indicado envolve a ponta da língua", explica.

Traumas na mandíbula

A fonoaudiologia ajuda também nos casos em que a mandíbula sofreu algum tipo de trauma e, por conta disso, surge dor na região, além de dificuldades na fala e problemas para articular a fala e a mastigação.

Segundo a especialista, a articulação da mandíbula fica travada após um trauma e exercícios de fortificação muscular auxiliam na recuperação, além de exercícios de alongamento da musculatura.

Trocar letras, língua presa e respiração oral: esses são os motivos que levam os pacientes ao fonoaudiólogoPerda auditiva

Mesmo diante de uma perda grande da audição, a fonoaudiologia pode trabalhar a comunicação. Segundo Thays, há dois métodos utilizados com pessoas que perderam a audição:

- compreender a fala: a fonoaudióloga ensina como entender a fala de outras pessoas que não sabem a linguagem de sinais.

- reproduzir os sons: por método sensitivo, a pessoa com problemas auditivos coloca a mão na garganta da fonoaudióloga enquanto esta emite um som. "Diante da vibração que sente, a pessoa irá tentar reproduzir o som que a fonoaudióloga faz", explica a especialista.

Resistência da voz

Chegar ao fim do dia com a garganta doendo ou totalmente sem voz é sinal de alerta quando isso se torna uma rotina, fato muito comum em profissionais que usam muito a voz, como é o caso de professores que passam o dia alterando a voz por conta das aulas. A fonoaudiologia entra no cenário ajudando na resistência muscular da prega vocal, tratando ou melhorando a qualidade de voz.

Thays Vaiano salienta que a rotina pode levar ao aparecimento de calo ou nódulo. O conselho da fonoaudióloga é, assim que o problema aparecer, ir ao fonoaudiólogo para que ele avalie se não há uma patologia e iniciar o aumento da resistência muscular da prega vocal. "Da mesma forma que o atleta precisa se exercitar para competir, a voz também precisa de exercícios", completa.

Disfagia

Há um profissional que trabalha em hospitais exclusivamente com pessoas que apresentam dificuldades para se alimentar após cirurgias ou acidentes que envolvam o uso de sondas.

Deixar de usar a musculatura por um tempo pode fazer com que o alimento desça pela laringe, podendo provocar o engasgo e também pneumonia por aspiração. "Da mesma forma que a perna fica bamba quando o gesso acaba de ser tirado por um longo tempo, é preciso exercitar a musculatura da boca e da garganta novamente", afirma a especialista.

Minha Vida

Mesoterapia substitui aplicação de enzimas

Injeções emagrecem, eliminando a gordura hereditária

Elas ficaram famosas como opção para quem sonhava em emagrecer sem perder muito tempo com as dietas. As enzimas Hialuronidase e Hyalozima, aplicadas a partir de uma série de injeções, derretiam a gordura localizada bem rápido, mas os efeitos colaterais, incluindo muitas alergias, fizeram com que o tratamento caísse em desuso e fosse substituído pela mesoterapia.

"Ela combina vários medicamentos, voltados à queima de gordura, à melhora da circulação e à formação de tecido elástico, combatendo a flacidez", afirma a dermatologista e nutróloga Paula Cabral, da Clínica Hagla. E nada de estranhar uma médica falando deste assunto: as aplicações de enzimas só podem ser realizadas após a consulta com um especialista (dermatologista ou cirurgião plástico, na maioria das vezes).

Além de a prescrição variar bastante a cada caso, avaliação clínica é necessária para que não haja incidentes com as dosagens dos medicamentos. "Elas são baixíssimas, para evitar complicações, e realizadas no lugar exato", afirma a médica.

Mas a baixa dosagem está longe ser atrasar os resultados. Segundo a dermatologista da Clinica Hagla, eles aparecem já na primeira semana se você associar as aplicações a uma dieta balanceada e exercícios físicos. As manchas roxas, no entanto, são inevitáveis, principalmente se as agulhas atingirem algum vasinho agora, se o seu problema é o medo das picadas, não se assuste: as agulhas são muito finas (4mm), bem diferentes daquelas usadas normalmente.

No decorrer do tratamento, você deve evitar o aquecimento da pele (com cintas térmicas, por exemplo). E, diferente do que muita gente acredita, sessões de drenagem linfática não têm nenhum impacto na mesoterapia. Isso porque a massagem melhora a eliminação das toxinas enquanto as injeções desmancham os depósitos de gordura localizada do seu organismo.

O tratamento no corpo leva de cinco a sete a dez sessões, enquanto o do rosto inclui cinco delas. Cada uma custa, em média, R$ 140.

Gordura profunda
A mesoterapia, segundo a médica, é indicada para eliminação da gordura localizada que não diminui com a dieta. "Os medicamentos eliminam os depósitos hereditários, e não aqueles que foram sendo criados a partir da alimentação inadequada", afirma a dermatologista.

Minha Vida