Secretaria de Saúde aponta aumento de casos de microcefalia em Mato Grosso

Na última semana, Mato Grosso registrou mais três casos de bebês com microcefalia. Em todo o Estado já são 341 notificações. Os dados referem-se até o dia 26 de novembro.

Os casos de microcefalia foram notificados em 55 municípios, no entanto, as cidades com maiores índices são Rondonópolis, Cáceres e em Cuiabá.

A equipe da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde esclarece que utiliza as definições vigentes no Protocolo do Ministério da Saúde para confirmar ou descartar os casos suspeitos.

O Ministério considera um caso confirmado após análise clínica radiológica ou laboratorial.

De acordo com o Protocolo, a investigação da causa da microcefalia é realizada somente nos casos notificados que apresentem características sugestivas de infecção congênita, para a identificação da infecção pelo vírus Zika, entre outros agentes infecciosos.

Alteração do perímetro cefálico

O Ministério da Saúde mudou, seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o critério para considerar bebês com microcefalia. A medida do perímetro cefálico em recém-nascidos passou de 32 cm para 31,9 cm em meninos e 31,5 cm em meninas.

Em dezembro, o parâmetro para diagnóstico da doença já havia diminuído, passando de 33 cm para 32 cm. As alterações têm como objetivo padronizar as referências para todos os países, valendo para bebês nascidos com 37 ou mais semanas de gestação.

Hérica Teixeira/Assessoria SES-MT

Dia Internacional da Luta contra a AIDS

O Dia Internacional da Luta contra a AIDS é comemorado anualmente em 1º de dezembro. A data tem o objetivo de conscientizar a população sobre uma das doenças que mais mata no mundo: a AIDS.

Não apenas informar as pessoas sobre os sintomas, perigos e formas de se prevenir da doença, o Dia Mundial de Luta contra a AIDS também tem a função de auxiliar no combate contra o preconceito que os portadores de HIV - vírus humano de imunodeficiência - sofrem na sociedade por causa da doença.

A sigla AIDS vem do inglês Acquired immunodefiecience syndrome, que em português significa “Síndrome da Imunodeficiência Adquirida”.

O vírus da AIDS (HIV) destrói as células brancas do organismo, responsáveis em proteger e combater doenças no corpo humano.

Com a destruição das defesas do organismo, o corpo fica bastante fragilizado e propício a ser atacado por inúmeras doenças, como pneumonias, infecções, herpes e até mesmo alguns tipos de câncer.

A AIDS pode ser transmitida através do contato de fluídos corporais do infectado com o sangue de uma pessoa saudável, por meio de relações sexuais sem preservativo (camisinha), transfusões de sangue ou compartilhamento de seringas e agulhas.

Atenção: beijos de língua, abraços ou contatos com a pele da pessoa portadora de HIV não transmite a doença!

A doença não tem cura, mas pode ser tratada com coquetéis antiaids, quando diagnosticada a tempo, melhorando a qualidade de vida do infectado.

Origem do Dia Mundial da Luta contra a AIDS

O Dia Mundial de Luta contra a AIDS foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), em uma Assembleia realizada em outubro de 1987.

O governo brasileiro, através do Ministério da Saúde, começou a promover campanhas de apoio ao Dia Internacional de Luta contra a AIDS desde 1988.

Fonte: Calendarr

Monitoramento aponta a incidência de microcefalia em 12 municípios de MT

De acordo com o monitoramento feito pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde, Mato Grosso apresentou 338 notificações para microcefalia até 19 de novembro deste ano. Segundo as definições do Protocolo de Vigilância (recém-nascido, natimorto, abortamento ou feto), 133 notificações permanecem em investigação.

Os casos foram notificados por 55 municípios com distribuição ampla, entretanto permanecendo a maioria concentradas na região Centro-Sul do Estado, sendo 106 notificações em Rondonópolis, 58 em Cáceres e 47 em Cuiabá.

Segundo a classificação final, após a reavaliação clínica de exames de imagens e do perímetro cefálico, 26 municípios descartam 156 notificações para microcefalia, constatando que o mesmo estava dentro da normalidade e sem alterações do SNC. Ressalta-se que o município de Itiquira descartou um dos casos devido à impossibilidade de continuar a investigação, seguindo a orientação do Ministério da Saúde. Apenas 49 casos foram confirmados com Microcefalia e/ou alterações do SNC.

Do total, 38 casos foram por exame de imagem, detectando alteração típica em 12 municípios são eles Cáceres, Claudia, Comodoro, Cuiabá, Juara, Peixoto de Azevedo, Rondonópolis, São José do Povo, Sapezal, Sorriso, Tapurah e Várzea Grande. Com 10 casos por amostra positiva de vírus Zika nos municípios de Cuiabá, Porto dos Gaúchos e Primavera do Leste e um caso de Sinop relacionado com Citomegalovírus.

A Secretaria Estadual de Saúde salienta que é importante que os municípios continuem a investigação conforme Protocolo de Vigilância, para confirmação ou descarte dos casos, contribuindo com informações precisas necessárias ao acompanhamento dos casos pela atenção à saúde.

Fonte: Ana Maria Ferreira | SES-MT