Casos de dengue e zika lideram número de notificações

Os casos de dengue e zika vírus em Mato Grosso aumentaram 160%, de acordo com o Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde.

Em 2015, foram 9.316 casos de zika, e este ano, 2016 24.267. Já os números da dengue representam 15% de aumento em relação ao mesmo período do ano passado, que foi de 22.571, em 2015 e 25.889, em 2016.

A febre chikungunya também registra grande aumento de casos em comparação com 2015. O acréscimo chega a 295%, sendo que em 2015, houve 324 casos, e em 2016, 1.280 notificações.Seis municípios não registraram casos de dengue e estão classificados como silenciosos. São ele: Jangada, Nossa Senhora do Livramento, Idiavaí, Santa Terezinha, Conquista D´Oeste e Figueirópolis D´Oeste.

Os municípios que ainda apresentam-se como silenciosos para kika este ano são: Glória dOeste; Indiavaí; Gaúcha do Norte; Santo Afonso; Canabrava do Norte; Santa Cruz do Xingu; Santa Terezinha; São José do Xingu; Vila Rica; Alto Araguaia; Ponte Branca; Castanheira; Cotriguaçu; Vale de São Domingos e União do Sul.

Ainda estão silenciosos para a notificação de febre chikungunya 77 municípios, três apresentam incidência acumulada que os classificam como alto risco sendo eles: Acorizal Querência e Campo Novo do Parecis.

A SES recomenda que no ‘período não epidêmico as ações de mobilização, comunicação, e educação em Saúde são fundamentais para a mudança de comportamento e adoção de práticas para a manutenção do ambiente domiciliar preservando da infestação por Aedes Aegypti.

Fonte: Maricelle Lima Vieira / SES

LEUCEMIA

O que é?

Leucemia é o câncer das células brancas do sangue, os leucócitos. Esta doença começa na medula óssea (parte interna dos grande ossos, a "fábrica do sangue") e se espalha para outras partes do corpo.Há vários sub-tipos de leucócitos e, por isso, há diferentes tipos de leucemia. Normalmente, se divide nos dois principais grupos de células brancas: as leucemias linfocíticas ou leucemias mielóides. Além disso, pode se apresentar de duas formas, a forma aguda ou a forma crônica, dependendo da velocidade com que aparecem os sintomas e como ela evolui. Na forma aguda, as células são imaturas e não funcionam como deveriam, além de se reproduzirem muito rápido. Na forma crônica, as células são mais maduras e podem manter algumas das suas funções normais. O número de células malignas, neste último caso, aumenta vagarosamente. Este tipo de câncer é o câncer mais comum nas crianças, mas pode acometer adultos e velhos, também. Nos jovens, a forma mais comum é a leucemia linfocítica aguda, e nos adultos, a leucemia mielóide aguda seguida da leucemia linfocítica crônica.

O que se pode sentir?

Os sintomas da leucemia estão relacionados à piora do estado geral, porque o câncer é uma doença que compromete o corpo como um todo.Além disso, pode-se desenvolver sintomas relacionados à diminuição da atividade das células da medula óssea

Sintomas gerais:

Perda de apetite
Perda de peso não planejada ou sem fazer dieta
Aumento dos gânglios (ínguas), fígado e baço
Sensação de gripe que dura muitos dias
Dor nas articulações (juntas) e ossos

Sintomas relacionados à diminuição da atividade das células brancas (leucócitos), responsáveis pelo combate à infecções:

Febre e calafrio
Infecções de repetição, principalmente "infecções oportunistas", como candidíase oral e do esôfago ("sapinho") ou pneumonia atípica

Sintomas relacionados à diminuição da atividade das plaquetas, responsáveis pelo controle da coagulação:

Sangramento e hematomas frequentes sem um trauma claro ou proporcional
Sangramento das gengivas
Petéquias, pequenas manchas vermelhas em baixo da pele

Sintomas relacionados à diminuição da atividade das células vermelhas (hemáceas): 

Anemia
Fraqueza

Fonte: ABC da Saúde

Saúde promove seminário para lembrar Dia Nacional da Vigilância Sanitária

Para comemorar o Dia Nacional da Vigilância Sanitária, será realizado o seminário: "Os desafios e perspectivas para a Vigilância Sanitária" entre os dias 24 e 25 deste mês. O evento será no Hotel Hits Pantanal, em Várzea Grande, a partir das 8h30.

Durante os dois dias serão debatidos também: ‘A Vigilância Sanitária e as emergências em Saúde Pública, ‘O Programa Segurança do Paciente e mesa redonda com o tema ‘Desafios para atender aos critérios das novas formas de legalização de empresas e negócios.

O público alvo são os técnicos que atuam nas Vigilâncias Sanitárias do Estado, tanto no nível central, como nos escritórios regionais de saúde e dos municípios de Cuiabá e Várzea Grande. Foram convidados também os profissionais do Laboratório Central de Mato Grosso (Lacen/MT) e da coordenadoria de portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegados da Anvisa.

Foram convidados como palestrantes técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), representados pelas áreas da gerência geral de coordenação e fortalecimento do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária; da gerência geral de tecnologia em Serviço de Saúde; e da coordenação do Centro de Gerenciamento de Informações sobre emergência em Vigilância Sanitária.

Além de representantes do Sebrae, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, da Junta Comercial do Estado, da Secretaria de Estado de Fazenda e de técnicos do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Estado e de Cuiabá.

A coordenadora da Vigilância Sanitária da SES, Juliana Almeida Silva Fernandes, lembra que a comemoração foi instituída pela Lei 13.098, dia 5 de agosto, que coincide com o dia do nascimento de Oswaldo Cruz, um importante nome na história da vigilância sanitária do Brasil.

"A lei prevê que o dia seja marcado por atividades comemorativas envolvendo o SUS e o Sistema de Vigilância Sanitária, em todas as esferas de governo, promovendo a conscientização e o esclarecimento sobre temas relevantes".

Fonte: Maricelle Lima Vieira / SES